França: Direita francesa coloca François Fillon à frente nas primárias para a presidência

França: Direita francesa coloca François Fillon à frente nas primárias para a presidência
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma vez mais, desta vez em França, as sondagens foram completamente ultrapassadas pela realidade.

PUBLICIDADE

Uma vez mais, desta vez em França, as sondagens foram completamente ultrapassadas pela realidade. Nas primárias da direita, o homem que todos viam chegar em terceiro lugar, sagra-se vencedor da primeira volta, com grandes posibilidades de ser o próximo candidato à eleição presidencial.

O discreto e, bem à direita, François Fillon, conseguiu supreender. Depois do voto, garantia:
“Desde há vários meses que traço o meu percurso, calmamente, seriamente, com um projeto forte e preciso. E não me devio do meu caminho”.

O ar calmo e sério, é o que o diferencia daquele de quem foi o homem na sombra, o primeiro-ministro ao longo de cinco anos, sempre designado por Sarkozy como o “meu colaborador”. François Fillon, chefe do governo e várias vezes ministro não é um candidato anti-sistema, mas incarna certamente o estilo anti-sakozysmo.

“É agora tempo para mim de me dedicar a uma vida mais de paixões privadas e menos de paixões públicas. Boa sorte à França. Boa sorte a vocês meus caros compatriotas”.
O grande perdedor da primárias, aquele que tinha anunciado retirar-se da política em 2012 e que afirmava regressar pelo “sentido do dever”, foi obrigado a render-se nas urnas. As suspeitas que recaiem sobre ele, nos casos que pendem na justiça, relacionados com a campanha eleitoral de 2007 não serão alheios à esmagadora derrota que sofreu: Bigmalion ou o financiamento por parte da Líbia.

O segundo homem, Alain Juppé, durante muito tempo considerado como favorito, com uma imagem de força tranquila e de valor seguro tem contra si também uma condenação judicial no processo dos empregos fictícios da câmara de Paris. Foi condenado em 2004 a 14 meses de pena suspensa e um ano de inelegibilidade. Regressou à política progressivamente, após uma travessia no deserto.

Provavelemente, o que os franceses rejeitaram este fim-de-semana foi a ideia de um sistema corrupto e a impunidade política, apostando no candidato com a imagem mais limpa. A segunda volta desta primária, entre Fillon e Jupé está marcada para o próximo domingo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A queda, não prevista, de Nicolas Sarkozy

Detido homem que ameaçou fazer-se explodir frente ao consulado do Irão em Paris

Jornalistas têm acesso raro a submarino nuclear francês da classe Rubis