EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

EUA-Rússia: russos deixam espaços alegadamente usados para espionagem e Donald Trump elogia Putin

EUA-Rússia: russos deixam espaços alegadamente usados para espionagem e Donald Trump elogia Putin
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os russos deixaram, sexta-feira, o seu retiro rural em Upper Brookville, Nova Iorque, depois da administração Obama considerar que este espaço e outro em Maryland foram usados para…

PUBLICIDADE

Os russos deixaram, sexta-feira, o seu retiro rural em Upper Brookville, Nova Iorque, depois da administração Obama considerar que este espaço e outro em Maryland foram usados para espionagem.

A expulsão de 35 diplomatas russos faz parte das sanções impostas pelo Presidente norte-americano, Barack Obama.

O cônsul-geral do consulado russo em São Francisco, Sergey Petrov, criticou a expulsão de diplomatas russos dos EUA: “consideramos estas sanções completamente infundadas, irracionais e muito prejudiciais para as relações bilaterais entre dois países vizinhos, entre os Estados Unidos da América e a Federação Russa … No total (em São Francisco) são 11 pessoas, incluindo 3 crianças. Eles têm de fazer as malas e partir em poucas horas.”

Trump pinned his tweet and Russia retweeted it. Go home, everyone. pic.twitter.com/N6Isp5zJp8

— Eric Geller (@ericgeller) December 30, 2016

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, via twitter, considerou “muito inteligente” pelo chefe de Estado russo, Vladimir Putin, não ter reagido imediatamente às sanções, decididas por Barack Obama, por alegados ataques informáticos destinados a prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton, nas eleições presidenciais norte-americanas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA lançam novas acusações contra a Rússia

Rússia não expulsa diplomatas americanos

EUA-Rússia: Obama sanciona Moscovo com a expulsão de 35 diplomatas, o Kremlin ameaça responder