This content is not available in your region

2000 finlandeses testam rendimento básico universal

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias  com Jim O'Hagan, AFP, Le Figaro, Visão, DN
2000 finlandeses testam rendimento básico universal

Desde o dia 1 de janeiro, 2000 cidadãos finlandeses passaram a receber um rendimento básico universal de 560 euros mensais.

As 2000 mil pessoas em causa passam a receber este rendimento em substituição do subsídio de desemprego ou rendimento mínimo, mas mantêm a segurança social e o subsídio de alojamento.

Estes 560 euros mensais, que ficam bem aquém dos 2700 euros de um salário médio no país, não serão tributados e os beneficiários continuarão a recebê-los mesmo que, entretanto, arranjem emprego.

O objetivo primeiro do governo finlandês é reduzir a burocracia e a pobreza e estimular o emprego. A longo prazo, o executivo espera mesmo economizar dinheiro. Por um lado, o sistema de previdência social finlandês é complexo, burocrático e dispendioso; desburocratizá-lo permitirá ganhar dinheiro. Por outro, há desempregados que recusam trabalhos mal remunerados ou a tempo parcial porque, se os aceitarem, perdem os subsídios; se mantiverem o rendimento de base, irão, pouco a pouco, reintegrar-se no mercado de trabalho – pelo menos, é a aposta do governo de Helsínquia.

Para já, a experiência envolve estas 2000 mil pessoas, escolhidas aleatoriamente entre os beneficiários de ajudas sociais, e deverá durar dois anos. Se o programa, orçado em 20 milhões de euros, for bem-sucedido, será alargado a todos os adultos do país.

Do Brasil ao Uganda

A ideia de um rendimento básico universal não é exclusiva da Finlândia. Algumas regiões de certos países já o implementaram e outras regiões, e mesmo países, estão a discutir a possibilidade de o criarem.

Desde a década de 1980 que o Estado norte-americano do Alasca efetua um pagamento anual a todos os residentes – rendimento financiado pelos dividendos das receitas petrolíferas da região.

Canadá, Brasil, Islândia e até o Uganda estão a discutir a questão. O mesmo se passa com a Escócia, que estuda o assunto.

“A última ‘cena’ que está na moda

Mais próximo de nós, a cidade italiana de Livorno começou, em junho último, a atribuir um rendimento básico às 100 famílias mais pobres da cidade; no início do ano, a medida foi alargada a mais 100 famílias.

Em França, país que se prepara para as eleições presidenciais de maio, a questão começa a ser evocada por alguns candidatos ou candidatos a candidatos. O que não impede François de Rugy, presidente do Partido Ecologista e candidato às primárias da esquerda, de ironizar: “é a última ‘cena’ que está na moda”.

A contracorrente, está a Suíça. No ano passado, 75% dos eleitores votaram, em referendo, conta a atribuição de um rendimento básico universal de 2500 dólares mensais a adulto.

Saiba mais sobre o que é o rendimento básico universal aqui