EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

França e Bélgica: Frio intenso pode desencadear cortes no fornecimento de eletricidade

França e Bélgica: Frio intenso pode desencadear cortes no fornecimento de eletricidade
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O frio intenso que se faz sentir em países como França e Bélgica, e que vai atingir o seu pico a meio desta semana, pode levar a problemas no fornecimento de…

PUBLICIDADE

O frio intenso que se faz sentir em países como França e Bélgica, e que vai atingir o seu pico a meio desta semana, pode levar a problemas no fornecimento de eletricidade.

A diminuição das temperaturas leva ao aumento do consumo energético. Nenhum dos dois países produz eletricidade suficiente para as necessidades dos próximos dias.

“Mesmo ativando a reserva estratégica, será necessário ir buscar entre 1700 a 1800 megawatt ao estrangeiro, ou seja à Holanda, e França e Bélgica vão bater-se pela importação dessa eletricidade holandesa. Por isso, corre-se o risco de se encontrarem dificuldades na importação desses 1700-1800 megawatt da Holanda”, explica o professor Damien Ernst, da Universidade de Liège.

Em França, os principais atores do setor da eletricidade dizem estar a preparar-se para o aumento acentuado do consumo de eletricidade.

A RTE, entidade responsável pela Rede de Distribuição de Energia Elétrica gaulesa diz que há riscos mas que, para já, não estão previstos cortes no fornecimento.

Atualmente há várias centrais nucleares francesas que estão encerradas para manutenção.

Os gestos que podem ajudar a minorar o problema

Ce week-end et la semaine prochaine à la maison on passe tous en mode #ecogestes#électricitépic.twitter.com/o7Ew1wMl61

— RTE (@rte_france) 14 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Falha de eletricidade deixa Nova Iorque às escuras

Portugal é o terceiro país da UE com energia mais cara

Relógios de metade da Europa atrasaram 6 minutos desde o início do ano