Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Previsões económicas: Comissão Europeia otimista mas prudente

Previsões económicas: Comissão Europeia otimista mas prudente
Tamanho do texto Aa Aa

A recuperação económica continuam na União Europeia mas para a Comissão ainda há muitas nuvens no céu.
O executivo apresentou as previsões económicas para 2017 e 2018. Pela primeira vez desde há dez anos que o crescimento foi a nota comum para todos os países membros. Mas a Comissão continua prudente: estima que o ambiente político europeu e internacional seja mais incerto que nunca.

Esta quarta-feira, os deputados europeus vão pronunciar-se sobre o CETA, o acordo comercial entre a União Europeia e o Canadá. Sem mudanças de última hora, o texto deve ser adotado. Um dado adicional desta votação, o primeiro-ministro canadiano é esperado esta semana em Estrasburgo, como nos explica a nossa enviada Isabel Marques da Silva: “Justin Trudeau vai ser o primeiro chefe de governo canadiano a falar no Parlamento Europeu e vem para defender as vantagens do Acordo de Comércio União Europeia Canadá, ou CETA. Trudeau considera que o CETA, e cito, estabelece os standards mais elevados para os acordos de livre comércio no futuro”, o que parece não ser consensual no Parlamento. O discurso vai ser feito na terça-feira, no dia seguinte a votação que deve aprovar o tratado, com o apoio do centro direita, conservadores e liberais. Dois partidos ainda estão internamente divididos: os socialistas, no centro esquerda os eurocepticos do EFDD, na direita. Os Verdes e a Esquerda Europeia Unida estão contra. Mas ainda não está tudo pronto para que o CETA entre em vigor. Ainda tem de ser ratificado pelos parlamentos nacionais e regionais dos 28 Estados Membros, com os resultados na Bélgica e na Alemanha a serem os mais imprevisíveis”.

A Comissão Europeia é acusada de passividade pelos…funcionários da instituição. Um grupo de empregados apresentou queixa contra a Comissão pela falta de reação após o recrutamento do antigo presidente Durão Barroso pelo banco norte-americano Goldman Sachs, acusado de estar implicado na crise do “subprime” e na crise grega.

Para terminar, a partir das 11h da manhã, hora de Lisboa, acompanhe a nossa cobertura em direto do discurso do presidente austríaco no Parlamento Europeu.