Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Afeganistão: Dois anos de expansão do Daesh

Afeganistão: Dois anos de expansão do Daesh
Tamanho do texto Aa Aa

Ao abandonar o Afeganistão tanto política como militarmente, e falar apenas da Síria e do Iraque, corre-se o risco fazer o país mergulhar na trágica situação em que se encontrava no início de 2000 (de acordo com vários especialistas afegãos).

Foi aqui que o grupo Estado Islâmico surgiu, pela primeira vez, em 2015. Três anos depois, o movimento jihadista apareceu no Iraque e na Síria. Parte dos desertores dos talibãs juraram lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi, o autoproclamado califa do Daesh.

Estes jihadistas continuam a assediar o Governo de Cabul, os civis, e até mesmo os antigos “irmãos” Talibãs.

O massacre de trabalhadores da Cruz Vermelha, a 08 de fevereiro, no norte país, foi o último ataque reivindicado pelo Daesh no Afeganistão.

Porquê o Afeganistão?

Qual será a razão pela qual nasceu outro movimento jihadista no bastião dos Talibãs e da Al-Qaida?

Em entrevista à euronews, o jornalista especializado no Afeganistão, Aziz Hakimi, afirmou que esses movimentos “são muito semelhantes, porém são duas forças completamente à parte. O movimento talibã é local e circunscreve-se às fronteiras do Afeganistão. Por seu lado, a Al-Qaida sonha com um grande Califado muçulmano. O grupo Estado Islâmico, no Afeganistão, é, de facto, uma parte desta nova aventura jihadista global”.

O nascimento

Após o anúncio oficial da morte do Mullah Mohammad Omar, líder dos Talibãs, o movimento tem vindo a enfraquecer, em parte pelas cisões internas.

Parte dos seus dirigentes não se mostrou muito hostil à ideia de negociações de paz com o Governo de Cabul. No entanto, a maioria recusou qualquer diálogo com as autoridades apoiadas pelo Ocidente.

Enquanto a “jihad” continua sem qualquer vitória decisiva, o movimento Talibã perde o seu apelo com o surgimento do novo movimento salafista armado (Estado Islâmico), que agora controla grande parte do território do Iraque e da Síria e visa o estabelecimento do Califado nas grandes fronteiras históricas da época de ouro do Islão (da China ocidental a Espanha).

Em janeiro de 2015, Mullah Abdul Rauf, um antigo membro dos talibãs e ex-prisioneiro da prisão norte-americana de Guantánamo, anunciou a formação Daesh na província de Nangarhar, no Afeganistão oriental. Segundo Najibullah Mani, diretor do gabinete antiterrorismo do Ministério do Interior afegão, o Daesh está, agora, ativo em, pelo menos, 11 províncias do país.

Os civis passaram a ser, também, alvos h3>

Enquanto os ataques dos talibãs visavam, apenas, as forças militares as forças militares afegãs e internacionais, assim como os funcionários do Estado, os atentados do Daesh visam, também, civis, em especial, membros da minoria hazara (xiita).

Desde o verão passado, várias cerimónias desta comunidade foram alvo, em Cabul, de ataques sangrentos por parte do EI. Centenas de pessoas morreram.

O movimento Talibã tem condenado estes ataques.

O jogo duplo do Irão e da Rússia h3>

O grande projeto do Daesh para o grande Califado inclui regiões do Irão e da Rússia. De acordo com vários especialistas, a República Islâmica do Irão, um inimigo dos talibãs no passado, agora apoia-os contra a ameaça do Daesh ao seu território. Algo semelhante acontece na Rússia. Embora Moscovo negue o apoio direto aos talibãs, há um ano, o embaixador russo em Cabul, Alexander Mantytskiy garantiu às autoridades afegãs que os laços entre seu país e os talibãs pretendem “garantir a segurança da Ásia Central, argumentando que estes estão a lutar contra “Daesh”. No mesmo sentido, o enviado especial russo para o Afeganistão, Zamir Kabulov, afirmou que “a responsabilidade política e moral do que acontece no Afeganistão é dos norte-americanos.” Para Kabulov, a presença das tropas dos Estados Unidos da América no Afeganistão, criou “novos problemas”.