EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA: Empresas e ativistas contestam medida de Trump contra transexuais

EUA: Empresas e ativistas contestam medida de Trump contra transexuais
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Trump volta a sobressaltar os defensores dos direitos cívicos nos EUA ao revogar uma recomendação em favor dos estudantes transexuais.

PUBLICIDADE

Donald Trump volta a sobressaltar os defensores dos direitos cívicos nos EUA ao revogar uma recomendação em favor dos estudantes transexuais.

A nova administração suspendeu na quarta-feira a medida de Obama que permitia que os alunos pudessem utilizar as casas de banho correspondentes à sua escolha sexual.

Entre as vozes críticas, o antigo atleta olímpico e ativista transgénero Caitlyn Jenner, dirigiu-se ontem a Trump:

“Tenho uma mensagem para o presidente, de republicano a republicano, esta medida é um desastre e ainda pode ser reparada. O presidente prometeu proteger a comunidade gay e lésbica. Fico à espera da sua chamada”.

A decisão de Trump enfrenta-se igualmente aos protestos dos gigantes da informática de Silicon Valley, da Yahoo à Apple, do Twitter à Microsoft.

Rolling back rights for transgender students is wrong. Twitter and Square stand with the LGBTQ community, always. pic.twitter.com/GKXrdjKkrV

— jack (@jack) February 24, 2017

Empresas e ativistas viram-se agora para o Supremo Tribunal que deverá analisar, a partir do final de março, o caso de Gavin Grimm, um estudante transgénero, proibido de utilizar a casa de banho dos homens numa escola da Virginia. A decisão final é esperada até ao final de junho.

As associações de defesa dos direitos cívicos consideram que este tipo de proibições, que poderão ser generalizadas após a intervenção de Trump, são contrárias à legislação contra a discriminação sexual nas escolas.

O Estado da Carolina do Norte tinha registado perdas de mais de 560 milhões de dólares, na sequência de um boicote de várias empresas, após a decisão das autoridades de obrigarem os transsexuais a utilizarem as casas de banho correspondentes ao seu sexo à nascença.

Vários políticos, artistas e personalidades norte-americanas expressaram a sua oposição à medida de Trump nas redes sociais:

One of the great and ongoing struggles of human existence has been the effort to overcome fear of people who are different than we are.

— Bernie Sanders (@BernieSanders) February 23, 2017

Trans friend, if you are struggling tonight, please reach out to @TrevorProject and @Translifeline. Equality for all! #ISTANDWITHGAVINpic.twitter.com/bgipj0rmqg

— KATY PERRY (@katyperry) February 23, 2017

Just seeing the news about removing laws protecting trans people. This isn’t about politics. It’s about human rights, and it’s not okay.

— Ellen DeGeneres (@TheEllenShow) February 23, 2017

Ugly! Trump administration set to rescind protections for transgender students ➡️ by @aterkelhttps://t.co/678NPUt4Yh via @HuffPostPol

— Mark Ruffalo (@MarkRuffalo) February 22, 2017

Listen. Those of us who believe in justice and dignity FOR ALL will not be silenced. We grow louder the more you try. #protecttranscitizenshttps://t.co/4wcGRACthB

— Ava DuVernay (@ava) February 23, 2017

If you support lifting fed protections of trans kids, you are supporting an act of cruelty towards kids who know enough cruelty already 2/3

— Andy Richter (@AndyRichter) February 23, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"

Homem imolou-se no exterior do tribunal onde Donald Trump está a ser julgado