Irão orgulhoso com o Óscar de Ashgar Fahradi

Irão orgulhoso com o Óscar de Ashgar Fahradi
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

“O Irão está orgulhoso pelo triunfo do filme de Ashgar Fahradi, “The Salesman, nos Óscares.

PUBLICIDADE

“O Irão está orgulhoso pelo triunfo do filme de Ashgar Fahradi, “The Salesman, nos Óscares. O filme que Hollywood premiou já era um sucesso no Irão, com recordes de bilheteira desde que tinha saído no país, hà seis meses.

“Penso que o prémio foi dado a Farhadi para dar uma bofetada a Trump. Senão, apesar de The Salesman ser um bom filme, não penso que merecesse um Óscar”.

Com efeito, no Irão, as opiniões dividem-se: será que este Óscar recompensa o posicionamento político do realizador ou a obra de arte em si?

Para o estudante de cinema, Alireza Azizi, Asghar Farhadi mereceu completamente este prémio. “Ele é presentemente o melhor realizador, na minha opinião e trabalha muito nas suas obras artísticas. Nem sequer se pode dizer que foi um prémio político”.

Kianoush Ebrahimzadeh, estudante de engenharia diz: “O filme é certamente um bom filme para chegar até aqui, mas a política também teve influência na sua vitória. Há a oposição a Donald Trump no seio da sociedade americana e particularmente no mundo das artes e das classes educadas”.

Até a televisão pública do Irão se congratulou com o prémio e sublinhou o boicote de Asghar Farhadi à cerimónia. Coube ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Javad Zarif, mostrar o orgulho pelo Oscar e pela posição do realizador contra a interdição de entrada nos Estados Unidos de muçulmanos.

Asghar Farhadi recusou-se a viajar para os Estados Unidos, assim como a sua equipa e tornou-se num símbolo de resistência contra Donald Trump. Na sexta-feira, 24 de fevereiro, enquanto realizador nomeado dizia: “(…) é reconfortante saber que num momento em que alguns políticos tentam promover o ódio criando divisões entre culturas, religiões e nacionalidades, a comunidade do cinema junta-se às pessoas numa manifestação de unidade para anunciar a sua oposição”.

O realizador iraniano de 44 anos já tinha recebido o prémio do melhor argumento para The Salesman em Cannes em 2016 e Shahab Hosseini tinha arrecadado o de melhor ator.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: "Capacetes Brancos" reconhecidos nos Óscares

A grande gafe dos Óscares em imagens e nas redes sociais

Óscares 2017? Foi diferente...