EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Coreia do Sul mobilizada contra a Presidente aguarda decisão sobre a destituição de Park Geun-hye

Coreia do Sul mobilizada contra a Presidente aguarda decisão sobre a destituição de Park Geun-hye
Direitos de autor 
De  Euronews com APTN, LUSA, EFE, REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Perto de 900.000 pessoas ocuparam o centro de Seul e voltaram a exigir a perda de mandato da Presidente, envolvida num escândalo de corrupção e tráfico de influências.

PUBLICIDADE

A mobilização contra a presidente da Coreia do Sul não esmorece à medida que se aproxima a decisão do Tribunal Constitucional sobre a destituição de Park Geun-hye.

Este sábado, segundo os organizadores, perto de 900.000 pessoas ocuparam o centro de Seul e voltaram a exigir a perda de mandato da Presidente, envolvida num escândalo de corrupção e tráfico de influências.

Um manifestante afirma ter vindo ao protesto para expressar a sua “raiva em relação à Presidente”, considerando que Park Geun-hye tem “seduzido as pessoas com mentiras constantes” e aproveitando para pedir ao constitucional que confirme a destituição.

Outro sul-coreano afirma que “teria sido melhor se nada disto tivesse acontecido. Mas, por causa desta situação, a consciência política da população aumentou e o povo teve a oportunidade de o rumo tomado pela política”.

Para além da Presidente e de uma confidente e amiga de longa data, o escândalo já apanhou outras figuras de proa da sociedade sul-coreana, caso do herdeiro do império Samsung, Lee Jae-Yong, que está indiciado por “corrupção, desfalque, ocultação de ativos no estrangeiro e perjúrio”, sendo suspeito de ter pago cerca de 40 milhões de euros em subornos à confidente de Geun-hye, Choi Soon-Sil.

O Tribunal Constitucional poderá anunciar na próxima semana se confirma a destituição da Presidente, aprovada pelo Parlamento em dezembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência

Helicóptero do presidente iraniano faz "aterragem forçada", informa a imprensa estatal