EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Seis anos de uma catástrofe humanitária

Seis anos de uma catástrofe humanitária
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com REUTERS, ASSOCIATED PRESS E LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Calcula-se que quase metade da população síria tenha deixado o país ou morrido em ataques. Muitos sobrevivem sem qualquer tipo de ajuda.

PUBLICIDADE

Com Reuters, Associated Press e Lusa

Foi há seis anos que começou a revolta contra o presidente Bashar al-Assad, na Síria, no quadro das chamadas primavera árabes.

Uma revolta que depressa se transformou num conflito interno, no qual têm vindo a intervir atores regionais, que defendem os seus interesses na região, da Rússia aos Estados Unidos, passando pela Turquia.
Um conflito armado que é também um conflito de interesses. Mas, acima de tudo, um conflito que é já a maior catástrofe humanitária vivida na região e na Europa.

Para além do conflito entre Damasco e os grupos presentes no terreno, é preciso contar com o poder dos jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh (sigla em língua árabe).

6 years of #SyriaCrisis, doors slammed in the faces of Syrians trying to flee biggest humanitarian crisis https://t.co/nTkFdyzIQ1#WithSyriapic.twitter.com/ALHM3kOFsM

— Oxfam Middle East (@OxfamMiddleEast) 13 March 2017

O território conquistado pelos jihadistas do Daesh sofreu o peso da política da terra queimada, como aconteceu em Nimrud e em Palmira. ### Os números de uma tragédia

Os dados foram recolhidos através da UNICEF, da Oxfam e do Conselho Norueguês para os refugiados (NCR, sigla em inglês).

  • A Síria tinha cerca de 22 milhões de habitantes em 2011
  • As Organizações Internacionais dizem o número de residentes será agora cerca de metade
  • Cerca de 5 milhões de pessoas vivem em países limítrofes
  • Cerca de 6,5 milhões de pessoas deixaram as suas casas no país
  • Quase 900 mil pessoas pediram asilo na Europa
  • Cerca 1 milhão sobrevivia sem qualquer ajuda humanitária (NCR)
  • Cerca 600 mil pessoas sobreviviam sem acesso a água potável em Alepo em 2016 (Oxfam)
  • Morreram 652 crianças durante a guerra em 2016 (UNICEF)
  • Mais 20% em relação ao ano passado (UNICEF)
  • Cerca de 850 crianças foram forçadas a combater em 2016 (UNICEF)
  • Mais do dobro do que as crianças forçadas em 2015 (UNICEF)
  • Foram atacados, no ano passado, 338 hospitais

ONU acusa Damasco e al-Assad de crime de guerra

UNICEF report says that 2016 was “the deadliest yet” for #Syria's children vicenews</a> <a href="https://t.co/e8Jl4s7hhR">pic.twitter.com/e8Jl4s7hhR</a> <a href="https://t.co/GhTADmtuhf">https://t.co/GhTADmtuhf</a></p>&mdash; UNICEF MENA (UNICEFmena) 14 March 2017

Uma comissão de inquérito da ONU sobre a Síria disse que o exército de al-Assad cometeu “um crime de guerra” quando, em 2016, bombardeou uma estação de distribuição de água perto de Damasco.
Segundo um documento entregue ao Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, “o bombardeamento” da estação de distribuição de água em Wadi Barada, localidade rebelde a cerca de 15 quilómetros da capital, “foi efetuado pelas forças aéreas sírias”.

#Syria – the worst man-made disaster since World War II – #Zeidhttps://t.co/nEY2v8wtju

— UN Human Rights (@UNHumanRights) 14 March 2017

A mesma comissão rejeitou a versão avançada pelo regime liderado pelo Presidente Bashar al-Assad de que a estação de água tinha sido contaminada pelas forças da oposição. “Embora existisse grupos de combatentes armados perto da estação de água no momento do ataque, a vantagem militar adquirida foi excessivamente desproporcional ao impacto que teve sobre a população civil” e “equivale a um crime de guerra”, concluíram os investigadores da ONU.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo em zona controlada pelos rebeldes sírios mata dois civis

Alemanha promete milhões em ajuda ao Sudão no aniversário da guerra

Primeiro-ministro do Haiti apresenta demissão