Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O tempo dos vulcões

O tempo dos vulcões
Tamanho do texto Aa Aa

Os vulcões são uma das mais poderosas manifestações da natureza. Podem mesmo alterar a história de um povo. Para compreender a sua evolução, é preciso saber o que acontece precisamente durante as erupções. O Futuris veio até à cratera do Vesúvio, em Nápoles, para falar sobreo projeto Chronos, que pretende estabelecer uma espécie de cronologia da mecânica dos vulcões.

A baía de Nápoles, no sul de Itália, é considerada como sendo, potencialmente, uma das áreas mais perigosas do mundo. A cidade repousa no centro de um sistema vulcânico formado pelo supervulcão Campos Flégreos, por Ísquia e pelo famoso Vesúvio. Ou seja, trata-se do cenário ideal para um grupo de cientistas que desenvolve um modelo de funcionamento das erupções vulcânicas.

“O que menos se conhece sobre os vulcões é o seu sistema de alimentação: onde é que os magmas se formam, como é que evoluem… E para analisar estes fatores utilizamos métodos indiretos, como a tomografia – os raios-X que usamos nos corpos humanos- e, sobretudo, estudamos as rochas em si”, explica-nos Mauro Di Vito, do Instituto Italiano de Geofísica e Vulcanologia.

“Uma rocha é como um relógio parado no momento do crime”

O estudo das rochas é exatamente o núcleo do projeto Chronos, apoiado pela União Europeia, e no qual os investigadores tentam decifrar a ainda misteriosa cronologia de uma erupção. Segundo Diego Perugini, petrologista da Universidade de Perugia, “uma rocha é como um relógio que ficou parado no momento do crime. O Chronos baseia-se neste princípio: a definição das linhas temporais que levaram um sistema vulcânico a passar de um estado de repouso a um estado ativo”.

Não sendo possível avaliar uma erupção a partir do interior do vulcão, o estudo das alterações do magma faz-se a partir dos fenómenos resultantes.

“O modelo que desenvolvemos funciona da seguinte maneira: quando o novo magma alcança a câmara magmática nas profundezas, desencadeia-se um processo de fusão que podemos comparar ao da elaboração de um cappuccino: quanto mais tempo estivermos a misturar o café e o leite, maior a homogeneidade. Graças a esta informação, podemos ler no interior das rochas quanto tempo passou desde o início da fusão até à erupção”, afirma Perugini.

Na Universidade de Perugia, estes cientistas criaram a primeira máquina do mundo capaz de misturar magma, podendo fundir amostras de rochas vulcânicas diferentes. Cada vulcão tem uma marca geológica inconfundível. “Colocamos a rocha no ponto de fusão e apuramos as caraterísticas físicas do magma. Utilizamos um viscosímetro, que mede a consistência a altas temperaturas”, diz Daniele Morgavi, vulcanólogo da Universidade de Perugia.

Uma vez em estado sólido, o magma misturado é analisado para apurar as caraterísticas resultantes. Ao repetir os testes ao longo de etapas diferentes do processo de fusão, é possível obter uma cronologia das alterações químicas e estruturais.

“Aquilo que descobrimos é que entre o início do processo de fusão e o início da erupção em si passam apenas 20 a 30 minutos. A análise estatística que efetuámos, tendo em conta as últimas 200 erupções mais poderosas de que há registo, mostra que este processo ocorre em 99% dos casos”, salienta Diego Perugini.

As erupções vulcânicas continuam a ser um dos fenómenos naturais mais imprevisíveis. O estudo constante do seu modo de funcionamento é uma das formas de tentar minimizar as consequências de uma eventual catástrofe.