Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

“Lines”, a crise grega no grande ecrã

“Lines”, a crise grega no grande ecrã
Tamanho do texto Aa Aa

Grécia, dias de hoje: O atendedor solitário de uma linha telefónica de ajuda não tem mãos a medir com as chamadas que recebe – Em “Lines” cruzam-se as histórias de vários gregos que a crise levou ao abismo, do casal que se afunda nos sonhos para esquecer a doença e o dinheiro que deixou de conseguir pagar a conta da luz ao polícia que fica nu durante uma manifestação. Mesmo se carregado de onirismo e simbologias, este não deixa de ser o retrato extremamente cru de uma sociedade a contas com uma crise que não é só financeira.

O pior da crise não é ter dívidas para pagar, é não saber como enfrentar a incógnita do dia seguinte.

Vassilis Mazomenos Realizador



A euronews esteve à conversa com Vassilis Mazomenos no último Fantasporto, onde “Lines” esteve em competição na Semana dos Realizadores.

Ricardo Figueira, euronews: Vemos neste filme um retrato de várias pessoas à beira do abismo. É assim que os gregos estão hoje?
Vassilis Mazomenos: O filme fala sobre a destruição psicológica dos gregos causada pela crise. Há um estrangulamento económico que dura há vários anos e tem consequências não só na vida económica dos gregos, como na psicologia das pessoas. Há um número incrível de suicídios e de pessoas que usam psicofármacos. Falamos de mais de 4000 suicídios. As consequências estão à vista de todos e essas evidências fizeram-me querer fazer este filme.

Quis, com este filme, mandar uma mensagem a alguma instituição ou país?
Os filmes não são feitos para mandar mensagens a ninguém. No entanto, senti a necessidade de expressar, através deste filme, a tragédia que está a ser vivida pelos meus compatriotas.

Quem é, na sua opinião, responsável por esta crise?
A crise não tem um só culpado. Deve-se ao sistema político, à corrupção, aos credores e ao impasse que, na minha opinião, está a ser vivido pela civilização ocidental.

A nudez é um símbolo muito presente ao longo de todo o filme. Tem um significado especial?
Nos meus filmes, e neste em particular, a nudez representa a negação da existência da própria vida. Por exemplo, o polícia, ao despir a farda, está a negar o seu papel na vida. O mesmo acontece com o político.

Como foi fazer o filme? Há uma aposta muito forte nos planos-sequência…
Foi um filme difícil de realizar, porque a lógica da construção repousa, justamente, nos planos-sequência. Isso significa que todos aqueles que participaram no filme tiveram de dar o seu melhor. Tive a sorte de ter um excelente lote de atores.

Como vê o futuro próximo e a médio prazo da Grécia?
É uma grande incógnita. Tenho medo que, por enquanto, não haja uma solução que não passe por terceiros.




Como caracteriza os gregos de hoje?
O que mais caracteriza o estado emocional dos gregos de hoje é o medo e o embaraço. O pior da crise não é ter dívidas para pagar, é não saber como enfrentar a incógnita do dia seguinte.

Vê semelhanças entre os gregos e os portugueses?
Com certeza que sim. Ambos são povos extrovertidos, amigáveis e que mantêm muita da inocência do passado. A ligação que ambos os povos têm com o mar criou uma relação que começa com o mar e acaba com a poesia.

Entrevista traduzida do grego por Aikaterini Arampatzi