EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Tillerson em Moscovo para conversações; Síria domina agenda

Tillerson em Moscovo para conversações; Síria domina agenda
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters, Fox, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, já se encontra em Moscovo onde estão previstas conversações com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov.

PUBLICIDADE

O secretário de estado norte-americano, Rex Tillerson, já se encontra em Moscovo onde estão previstas conversações com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov.

A primeira visita de Tillerson a Moscovo tem como pano de fundo tensões decorrentes do ataque químico ocorrido a 4 de abril na Síria e que Washington afirma ter sido da responsabilidade do presidente sírio Bashar al-Assad.

Apesar de Tillerson e Putin já se conhecerem, não está oficialmente previsto qualquer encontro entre os dois. Fontes próximas do Kremlin afirmam que ainda assim não está colocada de parte a possibilidade de um encontro entre os dois altos funcionários.

O presidente norte-americano condenou a proximidade entre a Rússia e a Síria.

“Francamente, Putin está a apoiar uma pessoa que é verdadeiramente má e eu acho que isso é mau para a Rússia, acho que é muito mau para a Humanidade, muito mau”, afirmou o presidente norte-americano numa entrevista ao canal Fox News.

Por seu lado, falando após o encontro de terça-feira com o presidente italiano, Sergio Mattarella, o presidente russo afirmou que não estava convencido pelos argumentos norte-americanos e recordou eventos anteriores.

“Isto faz-me lembrar eventos em 2003 quando representantes dos Estados Unidos no Conselho de Segurança mostraram aquilo a que chamaram armas químicas encontradas no Iraque. Depois disso começou a campanha que resultou na destruição do Iraque e no aumento da ameaça terrorista”, disse Putin.

O ataque com gás sarin ocorrido a 4 de abril em Khan Sheikhoun na Síria provocou 87 mortos, muitos deles crianças.

Os Estados Unidos reagiram ao ataque lançando 59 mísseis de cruzeiro contra um aeródromo sírio. Washington pretende convencer a Rússia a deixar de apoiar o presidente Bashar al-Assad.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin vai visitar a Coreia do Norte esta semana

Putin ameaça a Alemanha: Rússia pode fornecer armas para atingir alvos ocidentais

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"