EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Milhares em marcha contra Governo nacionalista de Jaroslaw Kaczynski

Milhares em marcha contra Governo nacionalista de Jaroslaw Kaczynski
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A chamada Marcha pela Liberdade foi organizada pelo principa partido de oposição, a Plataforma Cívica, de centro-direita.

PUBLICIDADE

Com agências

Dezenas de pessoas participaram em Varsóvia numa marcha em “defesa da liberdade” que estaria ameaçada pelo Governo conservador dos nacionalistas de Jaroslaw Kaczynski.

A chamada Marcha pela Liberdade foi organizada pelo partido de centro-direita Plataforma Cívica (PO, sigla em língua polaca).

O líder da PO, Grzegorz Schetyna, apelou a “uma Polónia democrática, pro-europeia, de amigos e parceiros e não com inimigos.”

Representantes de outros partidos políticos marcaram também presença na manifestação.

A PO superou, segundo uma sondagem do final do mês de abril, os conservadores do Lei e Justiça nas intenções de voto, com 31% das intenções contra 29%. É a primeira vez que o partido Lei e Justiça não figura no primeiro lugar das intenções de voto desde as eleições de 2015.

Segundo a câmara municipal de Varsóvia, governada pela PO, cerca de 70 mil pessoas participaram na Marcha pela Liberdade. Segundo a polícia, apenas 9 mil.

A manifestação é uma reação a um conjunto de leis do Governo tendo em vista o Tribunal Constitucional, o sistema de justiça polaco, a educação e outras instituições democráticas.

As reformas impostas pelo Governo têm sido motivo de preocupações na União Europeia, que fala em atentado contra o Estado de Direito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tusk nomeia comissão para investigar influência russa e bielorrussa após detenções de espiões

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia