Erro mata 11 militares nas Filipinas

Erro mata 11 militares nas Filipinas
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um avião da Força Aérea filipina bombardeou, por engano, posições das tropas terrestres.

PUBLICIDADE

Pela primeira vez, foram divulgadas imagens captadas nas fileiras do grupo armado islamita que está a aterrorizar o sul das Filipinas. O Maute, grupo afeto ao autoproclamado Estado Islâmico, continua a ocupar várias zonas da cidade de Marawi, na ilha de Mindanao, cercado pelo exército das Filipinas.

Um erro fez, entretanto, 11 baixas nas forças armadas, mas o porta-voz do exército garante que a missão não vai parar: “A nossa missão é continuar a eliminar e destruir este grupo terrorista. O mais urgente, neste momento, é salvar os civis que estão presos nesta zona hostil”, disse o tenente-coronel Jo-Ar Herrera.

As 11 mortes aconteceram quando um avião da Força Aérea filipina bombardeou, por engano, posições das tropas terrestres. O governo lamentou o incidente, que se deveu a um erro do comando terrestre ou do piloto do bombardeiro.

Nos nove dias de combate, morreram 38 membros das forças de segurança, 19 civis e 120 combatentes rebeldes, incluindo muitos estrangeiros. Para o presidente Rodrigo Duterte, o inimigo não é o Maute, mas o próprio grupo Estado Islâmico. O principal alvo a abater é Isnilon Hapilon, autoproclamado emir, que se acredita ser o comandante do Daesh na região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segurança nos estádios de futebol é reforçada após ameaça do Estado Islâmico

Polícia italiana detém alegado membro ativo do Estado Islâmico em Roma

Rússia detém homem do Quirguistão suspeito de estar envolvido no último ataque a Moscovo