Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A queda do califado no Iraque

A queda do califado no Iraque
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Já devem ser poucas centenas mas continuam a combater. Os cerca de 350 militantes do autoproclamado Estado Islâmico que ainda estão no centro histórico de Mossul não abrandaram os combates, mesmo depois das autoridades iraquianas terem anunciado a tomada da cidade. A segunda maior cidade do país, que esteve ocupada pela organização extremista durante os últimos três anos e está a dias de ser totalmente libertada.
Recorde-se que na quinta-feira as forças governamentais, apoiadas por milícias xiitas, curdas e cristãs avançaram sobre as ruínas da mesquita Al-Nuri, o mesmo local onde o então líder do grupo declarou o estabelecimento de um califado em Junho de 2014.

Mas agora, em Mossul levantam-se outras questões: os civis que não sairam da cidade estão a ser acusados de ter colaborado com o Daesh. De acordo com a Reuters, centenas de famílias terão recebido cartas ameaçadoras e um prazo para abandonar Mossul. A situação já levou a uma intervenção pública da ONU.

Na Síria, os militantes do Daesh abandonaram esta sexta-feira o último reduto que ainda ocupavam na província de Alepo. A informação foi avançada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que diz ainda que a retirada se seguiu a confrontos na região de Khanaser. Ao mesmo tempo, os militantes jihadistas levaram a cabo uma contra-ofensiva em Raqqa, a cidade síria que tem servido de sede para o grupo nos últimos anos.