Ministério Público Federal recorre para agravar pena de Lula da Silva

Ministério Público Federal recorre para agravar pena de Lula da Silva
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ex-presidente do Brasil foi condenado a nove anos e meio de prisão e a uma multa de 16 milhões de reais, mas foi absolvido numa segunda acusação e os procuradores não concordam.

PUBLICIDADE

O Ministério Público Federal do Brasil interpôs esta segunda-feira um recurso para agravamento da pena Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-Presidente do Brasil foi condenado há três semanas a nove anos e seis meses de prisão num processo sobre corrupção na petrolífera Petrobras.

Lula da Silva foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e branqueamento de capitais, acusado de receber um apartamento de luxo na cidade do Guarujá, litoral de São Paulo, em troca de intermediar vantagens indevidas em contratos da empreiteira OAS com a Petrobras.

No mesmo processo, o juiz Sérgio Moro absolveu o ex-Presidente de uma segunda acusação do MPF, que afirmava que a OAS dissimulou outro pagamento de suborno dado a Lula da Silva financiando um serviço de armazenamento dos presentes que o político recebeu enquanto ainda governava o Brasil.

Os procuradores pediram a revisão deste pronto da sentença, alegando que “Lula [da Silva] e Paulo Okamotto [presidente do Instituto Lula] deixaram de seguir as vias lícitas, recorrendo, por meio de um contrato ideologicamente falso e de um negócio dissimulado com a Granero, vantagens indevidas junto ao Grupo OAS”.

Ministério Público Federal recorre da sentença do juiz Moro e pede aumento da pena do ex-presidente Lula: https://t.co/pE21LNjSgV

— GloboNews (@GloboNews) 31 de julho de 2017

O ex-Presidente brasileiro ganhou o direito de recorrer da sentença em liberdade e tem negado publicamente todas as acusações contra si. Ele também afirma que foi condenado porque é vítima e uma perseguição política.

O recurso do MPF será analisado pelo Tribunal Regional da 4.ª Região de Porto Alegre, onde são analisados os casos da Lava Jato em segunda instância.

Texto: Lusa (CYR)
Edição: Francisco Marques

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Bloco da latinha": este desfile de Carnaval ouve-se muito antes de se ver

Escolas de samba já desfilam no Brasil

Desastre ambiental no sul do Brasil