Última hora

Última hora

Oposição quer dissolver parlamento depois de rejeitada moção contra Zuma

Oposição quer dissolver parlamento depois de rejeitada moção contra Zuma
Tamanho do texto Aa Aa

Com agências

O principal partido da oposição da África do Sul, a Aliança Democrática (DA, sigla em inglês) vai propor a dissolução do parlamento e a realização de eleições anticipadas.

A decisão surge depois da rejeição de mais uma moção de censura – a sétima – contra o presidente Jacob Zuma, da parte do parlamento.

Zuma tem mais de 700 crimes pendentes nos tribunais sul-africanos, mas, neste caso, a oposição acusa-o de responsabilidade na crise económica que fez perder o emprego a dois milhões de trabalhadores nos últimos oito anos.




A taxa de desemprego atingiu os valores mais elevados dos últimos 14 anos: 27,7% da população ativa encontra-se sem trabalho. Enquanto isso, a economia voltou à esperical recessiva.

Depois de conhecido o resultado da moção de censura, o rand perdeu 1,5%, o que se traduz numa reação negativa por parte dos mercados.

Zuma sobrevive, mas mais fraco

A moção deixou abertas algumas feridas dentro do seu partido, o Congresso Nacional Africano (ANC, sigla em inglês), que poderiam traduzir-se em obstáculos para governar e numa dificuldade para o atual presidente em escolher o seu sucessor.

Eram necessários 201 votos a favor para que o presidente fosse destituido. No entanto, cerca de 30 deputados do ANC decidiram apoiar o presidente, numa decisão que apanhou muitos por surpresa.




Agora, a prioridade de Zuma é eleger um sucessor que lhe permita terminar o mandato sem ser incomodado pelas acusações de corrupção.

O Congresso Nacional Africano deverá eleger um novo líder no próximo mês de dezembro. Uma antiga mulher de Zuma, Nkosazana Dlamini-Zuma, que ocupou várias pastas nos Governos Mandela, Mbeki e Zuma, tendo também assumido o posto de líder da Comissão da União Africana, é considerada como a favorita.




Outro possível candidato é o vice-presidente Cyril Ramaphosa, conhecido homem de negócios, que conta com o apoio do Partido Comunista da África do Sul (SACP, sigla em inglês) e com a federação sindical COSATU.

A próximas eleições presidenciais têm lugar dentro de dois anos, em 2019. Os candidatos do ANC, do líder histórico, Nelson Mandela, governam a maior economia do continente africano desde que o país realizou as primeiras eleições democráticas, em 1994.