EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Cic a última missão" um manual do terrorismo

"Cic a última missão" um manual do terrorismo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Histórias que aconteceram nos últimos anos, mas que foram descritas antes de acontecerem.

PUBLICIDADE

Um francês de segunda geração entra num teatro completamente cheio em Paris, para fazer um massacre.
Um grupo de muçulmanos avança numa multidão, em Bruxelas, e mata pessoas com uma kalashnikov.
Finalmente, militantes islâmicos radicais planeiam fazer explodir a Sagrada Família em Barcelona.

Estas histórias aconteceram na realidade nos últimos anos, mas, surpreendentemente, foram descritas – antes de acontecerem – num livro publicado em Itália em 2015, por Giuseppe Nicolò, um escritor e especialista em questões de segurança.

“Cic a última missão”, é uma história de espionagem que nos transporta pelo mundo.
Os heróis passam de um continente para outro e os eventos descritos parecem uma antecipação do futuro.“Escrevo sobre Bruxelas (e até tenho medo de pensar), mas também sobre a tentativa de atingir a central nuclear perto de Liege. Escrevi sobre um golpe no aeroporto de Shangai; o autor é membro de uma minoria muçulmana na China. Depois escrevi sobre a Sagrada Família em Barcelona”, diz Giuseppe Nicolò

Resta perguntar ao autor de “Cic” o que é que está descrito no livro que ainda não aconteceu:“Seguindo a minha imaginação, escrevi sobre um satélite chinês, o Shazoum, que consegue movimentar-se na estratosfera, colocar-se nas rotas dos aviões e travá-los, usando sinais eletromagnéticos. Tudo isto é fruto da minha imaginação. Mas… quem sabe….?”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sasha Filipenko: "É difícil para os bielorrussos lutarem contra a sua própria ditadura e contra uma ditadura estrangeira que a apoia"

Navio de cruzeiro com 1500 passageiros retido em Barcelona porque 69 bolivianos têm vistos falsos

Dani Alves libertado sob fiança após pagar caução de um milhão de euros