EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Jovens portugueses em risco com fim de programa que protege quem imigrou em criança para o país

Jovens portugueses em risco com fim de programa que protege quem imigrou em criança para o país
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Estima-se que possam ser centenas os jovens que se encontram em risco de ser deportados na sequência da decisão de Donald Trump de terminar com um programa herdado da administração Obama.

PUBLICIDADE

Ainda não se conhecem números precisos, mas vários jovens portugueses – estima-se que possam ser centenas – encontram-se em risco de ser deportados na sequência da decisão de Donald Trump de terminar com um programa herdado da administração Obama que, na prática, protege pessoas levadas em crianças para os Estados Unidos de forma ilegal.

De acordo com organizações consultadas pela agência Lusa que apoiam imigrantes em Rhode Island, Massachusetts, Nova Iorque, Nova Jérsia e Califórnia, o programa, conhecido como “Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA)”, foi bastante popular nas suas comunidades.

O programa foi lançado em 2012 pelo anterior Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Permite aos jovens levados em criança para o país de forma ilegal receberem proteção contra deportação, autorização de trabalho e número de segurança social.

O tema ainda promete fazer correr muita tinta, mas caiu que nem uma bomba, esta terça-feira, quando o procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, anunciou o respetivo fim. Será abandonado de forma gradual e expira a 5 de março do próximo ano. O polémico Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que o Congresso devia agora fazer “o seu trabalho.”

Uma lei para proteger estes jovens tem apoio nos dois partidos, tanto na Câmara dos Representantes, como no Senado. No entanto, esbarra na forte oposição de alguns republicanos, que consideram a iniciativa uma amnistia, e uma agenda legislativa já muito preenchida, com a reforma fiscal, a aprovação de um novo orçamento e um novo limite de endividamento do país.

Com Lusa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Democratas pressionam Joe Biden para reavaliar candidatura às presidenciais

Trump aceita nomeação para corrida presidencial e cita Orbán no discurso

Apoiantes de Trump lançam moda das ligaduras nas orelhas