EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trump: Atacar Coreia do Norte é uma opção a evitar

Trump: Atacar Coreia do Norte é uma opção a evitar
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma ação militar contra a Coreia do Norte é uma das opções possíveis, mas que é preferível evitar, disse o presidente dos Estados Unidos

PUBLICIDADE

Uma ação militar contra a Coreia do Norte é “certamente uma opção”, reiterou na quinta-feira, em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Uma opção que prefere evitar, acrescentou o presidente norte-americano durante uma conferência de imprensa conjunta com o emir do Kuwait, Sabah al-Ahmad Al-Sabah.

“Uma ação militar seria certamente uma opção. Será que é inevitável? Nada é inevitável. Eu preferiria não optar pela via militar, mas é algo que certamente poderia acontecer. Espero que não tenhamos que ver isso acontecer na Coreia do Norte. Se a usarmos, será um dia muito triste para a Coreia do Norte”, afirmou.

No último fim de semana, o governo de Pyongyang afirmou ter feito explodir a bomba de hidrogénio mais poderosa até agora usada pela Coreia do Norte. Donald Trump ameaçou então suspender as relações comerciais com qualquer país que mantenha negócios com Pyongyang, enquanto o secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, prometeu uma resposta militar face a “qualquer ameaça” da Coreia do Norte aos territórios dos Estados Unidos ou dos seus aliados.

A propósito da crise diplomática entre o Qatar e a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito, Trump ofereceu-se para intervir como mediador, caso fracassem os esforços atualmente conduzidos pelo Kuwait para resolver o conflito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"