Última hora

Última hora

Emigrantes portugueses enviaram mais dinheiro para casa

Emigrantes portugueses enviaram mais dinheiro para casa
Tamanho do texto Aa Aa

As remessas financeiras dos emigrantes portugueses subiram 30% em julho quando comparadas com as do mesmo mês em 2016.

Os trabalhadores portugueses a trabalhar em Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) enviaram quase 60% mais do que em julho do ano transato: 32,8 milhões de euros em 2017 contra 20,5 milhões em 2016, com Angola a liderar, como habitualmente, o número de transferências. Dos 32,85 milhões enviados da totalidade dos PALOP, só Angola representa 32,08 milhões. Ou seja, os trabalhadores portugueses em Angola enviaram em julho deste ano 63,7% mais do que no mesmo período do ano passado, numa dinâmica oposta à redução em 47,8% das verbas enviadas pelos angolanos a trabalhar em Portugal, comparando com o mesmo mês do ano passado.

Os dados do Banco de Portugal, segundo a análise da agência Lusa, indicam um envio total de 364,7 milhões de euros para Portugal por parte dos emigrantes nacionais, mais 30,01% do que os 280,5 milhões enviados em julho de 2016, num acréscimo correspondente a 59,9%.

No sentido inverso, os trabalhadores estrangeiros em Portugal enviaram para os respetivos países de origem 40,9 milhões de euros, menos 9,3% do que no ano passado, em que foram enviados 45,1 milhões.

O peso da comunidade portuguesa em França cifrou-se em 105 milhões, logo seguida pelo da residente na Suíça, a representar 96 milhões dos envios. Ambos os países, como habitualmente, contribuiram nos lugares cimeiros para o aumento, de cerca de 30% face ao ano passado, em julho.