A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Massacre de Las Vegas relança debate sobre as armas nos EUA

Massacre de Las Vegas relança debate sobre as armas nos EUA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As matanças repetem-se. O massacre de Las Vegas voltou a inspirar o debate sobre a livre circulação de armas nos Estados Unidos. Nas redes sociais as mensagens sucedem-se:

Barack Obama reagiu num tweet dizendo: “Michelle e eu rezamos pelas vítimas de Las Vegas. Os nossos pensamentos vão pas as respetivas famílias e de todos os que que passam por mais uma tragédia sem sentido.


Por seu lado, Hillary Clinton escreveu: “O nosso sofrimento não é suficiente. Podemos e devemos colocar a política de lado, enfrentar a NRA e trabalhar juntos para tentar impedir que isto aconteça de novo”.


De Donald Trump nem uma palavra. A secretária da Casa Branca para a imprensa, Sarah Huckabee Sanders, eludiu a questão: “É muito fácil para a senhora Clinton criticar. Acho que temos que nos lembrar que a única pessoa com sangue nas mãos é o atacante. E não é o momento de confrontarmos indivíduos ou organizações”.

Apesar do balanço cada vez mais cruel das vítimas destes ataques, a América continua dividida.

Mark kelly, o marido da antiga congressista democrata, Gabrielle Giffords – atingida no tiroteio de Tucson em 2011 e parcialmente incapacitada -, lançou um apelo junto ao Capitólio: “Apesar da violência doméstica mortal e sem sentido, relacionada com as armas; apesar de uma epidemia de suicídios evitáveis; apesar do problema das crianças que matam crianças e os seus pais, a resposta do Congresso tem sido não fazer nada – absolutamente nada. O mais incrível é que o Congresso está a trabalhar atualmente numa legislação que enfraqueceria ainda as nossas leis sobre as armas “.

Gabrielle Giffords articulou, no final, uma simples frase dirigida aos congressistas: “O país está a contar convosco”.