Última hora

Última hora

Presidente do governo regional da Catalunha promete aplicar resultado do referendo

Presidente do governo regional da Catalunha promete aplicar resultado do referendo
Tamanho do texto Aa Aa

A cinco dias de uma possível declaração unilateral de independência, o presidente da Generalitat da Catalunha, Carles Puigdemont, disse estar dececionado com o Rei. Segundo Puigdement, o chefe de Estado espanhol rejeitou o papel de mediador.

Carles Puigdemont prometeu que iria aplicar os resultados do referendo do passado domingo relativo à independência da Catalunha, considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Constitucional espanhol e rejeitado pelo presidente do Governo central, Mariano Rajoy.




O presidente da Catalunha fez o seu discurso em catalão e em castelhano.


Dirigiu-se diretamente a Felipe VI, dando parte da sua frustração relativamente ao discurso do chefe de Estado espanhol de terça-feira.

“As pessoas esperavam de si um apelo ao diálogo e à concórdia”, disse o presidente catalão.

“O Rei ignora deliberadamente milhões de catalães que não pensam como o Governo”, continou.

O presidente da Generalitat disse ainda que o povo da Catalunha tinha dado provas de um grande civismo e que iria manter-se unido, acontecesse o que acontecesse e apesar do que definiu como “pressão do Governo” (central).

*Possível declaração unilateral de independência na próxima semana”

Esta quarta-feira, foi dada a conhecer as intenções das forças a favor da independência, atualmente maioria no Parlament da Catalunha, como Junts pel Sí e CUP.

Ambos partidos pediram a presença do presidente regional no hemiciclo na segunda-feira, de forma a que sejam apresentados, de forma oficial, os resultados do referendo.

A intenção, segundo o diário catalão La Vanguardia, seria fazer com que arranquem os mecanismos que deverão culminar com o processo da independência da região autónoma da Catalunha.

Um porta-voz da Generalitat disse, esta quarta-feira, que todos os passos do processo que deverá levar à independência estão já decididos.

Uma vez assegurada a contagem dos votos de forma oficial, esta será apresentada no parlamento regional e será a Câmara a proclamar a independência da Catalunha.