Tribunal Supremo suspende sessão do Parlamento da Catalunha

Tribunal Supremo suspende sessão do Parlamento da Catalunha
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Órgão autónomo catalão poderia anunciar a independência unilateral na próxima semana.

PUBLICIDADE

O Tribunal Supremo espanhol suspendeu a sessão do parlamento regional catalão prevista para segunda-feira, quando se esperava que fosse declarada a independência da região autónoma espanhola de forma unilateral.

Espanha atravessa a maior crise política depois do franquismo e da chamada transição democrática dos anos 70, por causa da realização de um referendo sobre a independência da Catalunha.

Sem revelar se a ordem de suspensão seria ou não acatada, a presidente do Parlamento da Catalunha, Carme Forcadell, falou em censura e em ataques da parte dos tribunais que “fazem política”:

“Esta medida põe em causa a liberdade de expressão dos membros do parlamento e demonstra, mais uma vez, que os tribunais são utilizados para resolverem problemas políticos”, explicou aos jornalistas.

O que constitui um ataque à liberdade de expressão, seria, para Xavier García Albiol, do Partido Popular (centro-direita, Governo central), um bom momento para que o Governo da Generalitat mude de rumo:

“Nós acreditamos que esta medida constitui uma oportunidade para que os líderes regionais catalães voltem atrás nesta louca aventura de declarar a independência de forma unilateral”, explicou García Albiol.

Catalunha vive dias de tensão

O referendo de domingo não foi bem recebido na Catalunha pelos que desejam que a região permaneça como uma das 17 autonomias espanholas.

Posto em causa pelo Governo conservador do presidente Mariano Rajoy (PP) e rejeitado pela União Europeia, o referendo tem sido motivo para dias de muita tensão na Catalunha.

As violentas cargas policiais levadas a cabo pela Polícia Nacional e Guardia Civil, por outro lado, continuam a ser motivo de protestos da parte dos independentistas.

Tanto a Amnistia Internacional como as Nações Unidas criticaram a atuação das forças de segurança espanholas na Catalunha, no dia do referendo, que deixaram mais de 800 feridos.

Com agências

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justiça espanhola suspende sessão do parlamento catalão

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha