Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Catalunha a caminho de uma independência "transitória"?

Catalunha a caminho de uma independência "transitória"?
Tamanho do texto Aa Aa

O governo catalão poderá declarar a independência, esta terça-feira, sob forte pressão económica, política e judicial de Madrid.

Segundo a imprensa catalã , o presidente do executivo regional teria finalizado a declaração que deverá ser lida no parlamento a partir das 18h00 e que poderá prever um período transitório de negociações e a necessidade de uma mediação internacional.

Carles Puigdemont, que deverá exprimir-se sobre a “situação política” após o referendo independentista, parece assim pronto a resistir à possibilidade de Madrid poder suspender a autonomia da Catalunha ou assumir o controlo das autoridades locais no quadro de uma situação de emergência no território.

No terreno, a situação mantém-se num impasse, sem nenhum contacto direto entre o governo central e a “Generalitat”, apesar da abertura ao diálogo por parte de Barcelona.

Uma residente da cidade, afirma, “nós não vamos recuar. Lutamos por isto há mais de 300 anos e não é agora que vamos fazer marcha-atrás”.

Outro residente afirma, “eu penso que Espanha tem que manter-se unida. Percebo que certos meios queiram a independência mas não concordo com a forma como estão a levar a cabo o processo, penso que é incorreto”.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, reafirmou esta segunda-feira que o governo, “vai fazer tudo ao seu alcance para evitar a independência da Catalunha”, durante uma reunião do seu partido.

Símbolo das tensões entre a polícia autonómica e a polícia nacional, o supremo tribunal catalão decidiu reforçar a segurança das suas instalações com agentes das forças nacionais, pondo fim à exclusividade da polícia regional.
Um gesto justificado com a necessidade de continuar a funcionar em caso de independência.

Madrid tinha considerado a consulta popular independentista de há duas semana como ilegal, rejeitando reconhecer os resultados, quando vários responsáveis policiais e políticos catalães são acusados de desobediência pela justiça espanhola.

O líder da oposição socialista, Pedro Sanchez voltou a apelar a Puigdemont para que “recue” e convoque eleições antecipadas, segundo ele, “para deixar falar o povo catalão”.

A associação independentista Assembleia Nacional Catalã convocou, por seu lado, uma manifestação para as 18h00 locais, frente ao parlamento, alegadamente para apoiar a declaração de independência.