Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit: Hammond rejeita uso de fundos públicos para "hard" brexit

Brexit: Hammond rejeita uso de fundos públicos para "hard" brexit
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O ministro britânico da Economia, Philip Hammond, classificou de “irresponsável” o uso de dinheiros públicos caso não seja alcançado um acordo sobre o “Brexit” e reiterou que “a incerteza é o maior desafio” em todo o processo.

Num artigo publicado no jornal The Times, Hammond assinala que só vai recorrer aos fundos públicos quando “for responsável fazê-lo”, considerando que se deve ser realista sobre os desafios que se vão apresentar com a retirada britânica da União Europeia.

O diário destaca que a posição do ministro “pode inquietar os deputados conservadores que estão a favor de uma rutura dura” com a União Europeia e pretendem que o Governo destine fundos para planificar esta possibilidade.

“Como ministro de Economia, é meu dever ser realista com estes desafios e fazer andar a economia com cuidado durante este processo de forma a proteger os empregos, apoiar as empresas e apontar à prosperidade das famílias e trabalhadores e proteger as nossas finanças públicas para as próximas décadas”, considerou.

Ao mesmo tempo, Hammond reconhece que o país deve estar preparado para qualquer resultado das atuais negociações com Bruxelas, incluindo a possibilidade de não haver acordo.

“Estamos a preparar-nos para qualquer resultado, vamos encontrar o financiamento necessário e só vamos gastar quando seja responsável fazê-lo”, disse o ministro, que no próximo mês vai apresentar ao Parlamento os pressupostos do Estado.

Hammond insiste que o maior desafio é “a incerteza” sobre o que pode passar-se depois de março de 2019.

“A nossa prioridade imediata é acabar com a incerteza”, salienta Hammond.

No entender do responsável, “a incerteza” pode acabar se for feito um acordo que permita um período de transição depois de março de 2019 e também um acordo sobre a futura relação britânica com a União Europeia.

“Estas coisas dependem do progresso nas negociações (com Bruxelas) “, insistiu o ministro, que pede aos outros países que “mostrem flexibilidade”.

“Um bom acordo é bom para os interesses do Reino Unido, mas também para a Europa”, salientou.$


Londres e Bruxelas mantêm atualmente a quinta ronda da primeira fase de negociações sobre o “Brexit”.

A saída do Reino Unido da União Europeia, decidida em referendo em junho de 2016, está agendada para 29 de março de 2019.

(Com Lusa)