Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Negociações do Brexit a passo de caracol

Negociações do Brexit a passo de caracol
Tamanho do texto Aa Aa

Michel Barnier mostrou-se dececionado no fim desta quinta ronda negocial entre a União Europeia e o Reino Unido, com vista à saída do país do bloco europeu, o chamado Brexit.

O antigo ministro e comissário francês, chefe dos negociadores da União Europeia, admitiu que se avançou pouco ao longo desta ronda, que durou uma semana, e que não vai ser possível, no Conselho Europeu da próxima semana, apresentar uma proposta concreta para o Brexit: ‘O discurso de Theresa May em Florença deu um empurrão a estas negociações, que estavam a precisar. Esta semana, trabalhámos num espírito construtivo, clarificámos alguns pontos, mas no entanto não foram dados grandes passos em frente’, disse.

Tanto Barnier como o ministro britânico para a saída da União Europeia, David Davies, falaram da necessidade de proteger interesses comuns. Um dos pontos mais importantes tem a ver com os direitos dos cidadãos britânicos a viver nos outros países da União Europeia e vice-versa. Apesar de se ter avançado, ainda não há consenso: ‘No que toca aos direitos dos cidadãos, fizemos progressos no sentido de dar mais certezas aos britânicos a viver na União Europeia e vice-versa. Uma vez que as nossas ordens jurídicas vão ser diferentes, esta semana estivemos a estudar formas de garantir que as leis vão ser aplicadas, de ambos os lados, de forma justa e equivalente’, disse.

Um dos principais objetivos do próximo conselho europeu que vai decorrer em Bruxelas, quinta e sexta-feira da semana que vem, é avaliar o ponto em que estão as negociações do Brexit. Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, lamentou que as negociações estejam numa fase ainda pouco avançada, mas, tal como Barnier, saúda a maior abertura que a primeira-ministra britânica Theresa May tem demonstrado nos últimos tempos.