EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polícia queniana acusada de 33 mortes nos protestos após as eleições

Polícia queniana acusada de 33 mortes nos protestos após as eleições
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As autoridades policiais do Quénia refutam os dados do documento. O resultado das eleições presidenciais foi entretanto anulado e um novo ato eleitoral realiza-se a 26 de outubro.

PUBLICIDADE

Um relatório da Amnistia Internacional e da organização Human Rights Watch revelou esta segunda-feira que a polícia queniana matou pelo menos 33 pessoas na repressão aos protestos de apoiantes da oposição após as eleições de 8 de agosto.

Entre as vítimas contam-se uma criança de nove anos e uma mulher grávida de oito meses.

A polícia já veio contestar o relatório, considerando-o “enganador e baseado em informações falsas”.

Os protestos começaram depois de o presidente Uhuru Kenyatta ter sido declarado vencedor face ao líder da oposição, Raila Odinga.

O Supremo Tribunal do Quénia anulou entretanto os resultados e marcou um novo ato eleitoral para 26 de outubro.

Contudo, Odinga retirou-se da corrida à presidência, exigindo alterações à comissão eleitoral no sentido de garantir a transparência do voto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Absolvição de polícias acusados de matar homem negro causa revolta nos EUA

Vítimas da violência na Irlanda do Norte põem governo em tribunal

Protestos em França contra a violência policial