Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Falta de acesso a planeamento familiar agudiza desigualdade de géneros

Falta de acesso a planeamento familiar agudiza desigualdade de géneros
Tamanho do texto Aa Aa

A falta de acesso ao planeamento familiar agrava a desigualdade entre mulheres e homens.

Segundo o novo relatório Mundos Distantes do Fundo das Nações Unidas para a População, a desigualdade entre géneros agudizou-se em 68 dos 142 países analisados.

O organismo da ONU salienta que a aplicação dos direitos sexuais e reprodutivos ainda apresenta muitas disparidades. Exemplo disso, o acesso a contracetivos e cuidados de saúde durante a gravidez e parto não chega às mulheres pobres, nos países em desenvolvimento.

“O novo relatório mostra claramente que as desigualdades na saúde reprodutiva das mulheres relacionam-se diretamente com a desigualdade económica”, afirma a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a População, Natalia Kanem.

O documento sublinha que uma menina ou mulher que engravida, muitas vezes de forma indesejada e com risco da própria vida, vê-se privada de educação ou trabalho, perpetuando o ciclo vicioso de desigualdades.


A ONU refere que apenas metade das mulheres de todo o mundo tem emprego remunerado e, no geral, essa remuneração corresponde a 77% do que é pago ao homens.

Alargar a saúde materna, proporcionar partos mais seguros, facilitar o acesso à contraceção e garantir estes objetivos nas políticas públicas são outros dos desafios a cumprir, defende o Fundo.


Nos indicadores sobre saúde sexual e reprodutiva, Portugal surge entre os países com menor mortalidade infantil (10 mortes por 100.000 nascimentos em 2015) e com menor taxa de gravidezes adolescentes (10 em cada 10.000 meninas entre os 15 e os 19 anos).

No Brasil, um em cada cinco bebés é filho de mães adolescentes. Entre elas, de cada cinco, três não trabalham nem estudam; sete em cada dez são afrodescendentes e aproximadamente a metade mora na região nordeste do país.