Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Juiz justifica agressão dizendo que "Bíblia pune o adultério com a morte"

Juiz justifica agressão dizendo que "Bíblia pune o adultério com a morte"
Tamanho do texto Aa Aa

Um caso de violência doméstica – a agressão a uma mulher pelo ex-marido e pelo ex-amante – levou um juiz do Tribunal da Relação do Porto a manter, em sede de recurso, a pena suspensa. O juiz desembargador Neto de Moura serviu-se da Bíblia e do Código Penal de 1886 para justificar a decisão, lembrando mesmo que “há sociedades em que uma mulher adúltera é alvo de apedrejamento até à morte”, segundo consta do acórdão.

O acórdão data de 11 de outubro, mas o tema chegou agora ao conhecimento público e causou uma onda de choque nacional. As associações de defesa dos Direitos da Mulher reagiram: “Esta decisão responsabiliza todas as mulheres, não só esta, em particular, pela violência de que são vítimas. O que está em causa nem é a referência à Bíblia ou a textos de qualquer outra religião, mas a forma como esses textos são usados para justificar uma posição que é, claramente, individual”, diz Elisabete Brasil, da associação “Alternativa e Resposta”.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) esclarece que leu, na íntegra, o documento, que esta não é a primeira vez que se toma uma decisão como esta e refere as implicações ela tem no século XXI. Para Frederico Moyano Marques, assessor técnico da direção desta organização não-governamental o acórdão está “desfasado do mundo atual. O julgador, que aplica a lei, deve fazê-lo tendo em conta o contexto social atualizado. Tendo em conta o flagelo que a violência doméstica representa em Portugal e o forte investimento do Estado no combate a esta violência, esta é uma decisão iníqua e perigosa, já que vem justificar eventuais comportamentos futuros da mesma natureza”.


Em comunicado, o Conselho Superior de Magistratura diz que “nem todas as proclamações arcaicas, inadequadas ou infelizes constantes de sentenças assumem relevância disciplinar” e deixa a decisão para o seu conselho plenário.


(Imagens: Cortesia APAV e Conselho da Europa)