Última hora
This content is not available in your region

Cães de resgate treinados para salvar vidas

De  Euronews
Cães de resgate treinados para salvar vidas
Tamanho do texto Aa Aa

A UME é uma unidade das Forças Armadas espanholas responsável por fornecer auxílio em situações de desastre em toda a Espanha, principalmente, mas no estrangeiro também. As intervenções mais relevantes foram realizadas em catástrofes naturais, tanto em Espanha como no estrangeiro (Haiti, Nepal, Equador e recentemente o México).

Elementos-chave da Unidade Militar de Emergência são as equipas cinológicas, formada por cães especializados na busca e resgate de vítimas de catástrofes, vivas ou mortas.

“O objetivo da equipa cinológica é facilitar e acelerar a tarefa de localizar vítimas. Tentamos otimizar o tempo de busca através de um treino diário com os nossos cães,” afirma o Cabo Felipe, instrutor de cães no BIEM II da UME (2º Batalhão de Intervenção de Emergência).

As buscas em grandes áreas, deslizamentos de terra e estruturas colapsadas, são as situações de emergência em que os cães da UME trabalham. Eles estão especialmente integrados e acreditados pelas unidades de busca e resgate urbano das Nações Unidas.

Recebem treino especializado para se poderem adaptar rapidamente a diferentes situações e enfrentar riscos, porque, numa situação de emergência, o tempo é crucial.

O batalhão BIEM II tem seis cães especializados na busca de vítimas vivas e dois na busca de cadáveres. “Tipi”, uma cadela especializada na busca de cadáveres, procura o odor humano que paira no ar, sem seguir um rasto.

O treino diário, que estabelece um forte vínculo entre o cão e o seu guia, inclui não só a busca e a preparação física mas também a capacidade de socialização, de superar a ansiedade em situações de stress e a obediência.

Numa situação da vida real, depois de o cão indicar a localização de uma vítima, a equipa, com recurso a câmaras visuais e acústicas, determina a melhor maneira de resgatá-la.

“O treino dos cães baseia-se no jogo. O objetivo é que o cão localize a vítima e nos indique o local. Depois, recompensamos o cão,” acrescenta o Cabo Felipe.

Estima-se que um cão treinado possa fazer buscas numa área de 100 m2 em 5 minutos, enquanto um ser humano, com equipamento, levaria pelo menos 45 minutos.

Parte do treino é orientada para capacitar a intuição e a autonomia do cão de resgate para as ocasiões em que ele estará sozinho e precisará resolver a situação por si só.

No caso do treino de busca por uma vítima viva é usual que o “figurante” recompense o cão. Isso reforça a relação entre o cão e a busca de vítimas.

Existem 36 equipas cinológicas na UME que podem ser ativadas no espaço de 1 hora e estão prontas a embarcar num avião em 2,5 horas.

Recentemente, a unidade cinológica do BIEM II interveio no rescaldo do terremoto do México. O trabalho desses cães e guias possibilitou a recuperação dos cadáveres de aproximadamente 40 vítimas.