EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Migrantes em centro de acolhimento das Canárias, Espanha
Migrantes em centro de acolhimento das Canárias, Espanha Direitos de autor NOS via EBU
Direitos de autor NOS via EBU
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Aumento em 2024 foi de 500%, o que se reflete na entrada de 13.500 pessoas. Muitos dos migrantes são menores que chegam ao arquipélago espanhol sem os pais.

PUBLICIDADE

Só no passado mês de janeiro chegaram às illhas Canárias, em Espanha, mais migrantes do que em todo o primeiro semestre de 2023. 

As vagas migratórias para o arquipélago espanhol em 2024 dispararam 500%, o que se traduz na entrada de 13.500 pessoas.

Há meses que o número de migrantes que viajam de barco de África para as Canárias tem vindo a bater recordes.

A maioria dos migrantes que chega às ilhas é colocada em todo o território continental de Espanha, mas essa distribuição não é permitida para menores, daí que seja cada vez mais necessário dar abrigo aos jovens migrantes nos territórios insulares.

A ilha de Gran Canaria tem centenas destes jovens, que ficam alojados num dos mais de 70 centros de acolhimento especiais.

Dezenas de novos centros  foram abertos nos últimos meses, à medida que cada vez mais jovens viajam de países como Marrocos, Senegal ou Mauritânia sem os seus pais.

Um dos centros de acolhimento da ilha é o Mundo Nuevo. Numa aldeia situada numa colina junto a Las Palmas, cerca de 80 rapazes estão alojados num antigo mosteiro.

A maior parte deles vem do Norte e Oeste de África.

"Vemos que estão a chegar aqui cada vez mais jovens. Provavelmente ouvem dizer que assim têm a garantia de alcançar o seu objetivo: obter uma autorização de residência, uma autorização de trabalho", afirma Gabriel Orihuela, responsável do centro Mundo Nuevo.

Um dos jovens migrantes é Famara, de 17 anos, da Gâmbia. Quando a mãe morreu, no ano passado, decidiu viajar para a Europa. Em novembro, apanhou um barco no Senegal.

"Quando a minha mãe faleceu, pensei nisso [vir para a Europa], porque a minha mãe tomou conta dos meus irmãos mais novos e das minhas irmãs, por isso tenho de ser eu a tomar conta deles no futuro.", conta Famara.

Parlamento Europeu vota Pacto de Asilo e Migração

O plenário do Parlamento Europeu vai debater e votar esta quarta-feira o Pacto de Asilo e Migração.

A sessão vai encerrar os trabalhos legislativos desta legislatura no domínio da migração e do asilo, lançando um debate com a presidência belga do Conselho e a Comissão sobre os resultados das negociações relativas ao Pacto de Migração e Asilo.

Os textos já acordados têm como objetivo melhorar a cooperação entre os Estados europeus e reforçar a resposta da União Europeia em em caso de crise migratória.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 17 migrantes resgatados e três desaparecidos em naufrágio ao largo da Grécia

Migrantes: 2023 foi o ano mais letal de que há registo

Polícia francesa usa "táticas agressivas" contra bote de migrantes no Canal da Mancha