Última hora
This content is not available in your region

Os investimentos florestais offshore do príncipe Carlos

Os investimentos florestais offshore do príncipe Carlos
Tamanho do texto Aa Aa

Em público, o príncipe Carlos de Inglaterra defende o ambiente; em privado, o ducado da Cornualha, de onde retira os seus principais rendimentos, investe em sociedades offshore de exploração florestal, baseadas nas Bermudas e nas ilhas Caimão.

As ligações do príncipe à Sustainable Forestry Management (SFM), criada em 1999 para investir em créditos de carbono e que ao longo dos anos desenvolveu investimentos florestais na região da Ásia-Pacífico e da América do Sul, aparecem nos documentos dos chamados Paradise Papers e foram reveladas pela imprensa britânica

Após este investimento, Carlos terá desenvolvido uma intensa campanha de lobbying para obter a modificação de alguns acordos sobre as mudanças climáticas, com proveito para a empresa offshore e para os seus próprios investimentos. Um conflito de interesses óbvio.

É a segunda vez esta semana que a família real britânica é identificada na investigação com ligações aos paraísos fiscais depois da revelação de que a rainha Isabel II tem investimentos superiores a 13 milhões de euros em contas offshore.

A investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos ICIJ durou um ano e as revelações sucedem-se. A maior parte dos documentos provém de fugas da sociedade de advogados Appleby, sediadas nas Bermudas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.