Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mais de 400 mortos após sismo no Irão e Iraque

Mais de 400 mortos após sismo no Irão e Iraque
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 400 pessoas morreram no Irão e no Iraque, vítimas de um terremoto de magnitude 7,3 na escala de Richter, que abalou no domingo o nordeste do Iraque e as regiões fronteiriças no Irão e na Turquia.

O número de vítimas no território iraniano tem aumentado à medida que as equipas de salvamento avançam nas buscas. Há mais de 6.600 feridos. A maioria das pessoas atingidas pela catástrofe viviam na cidade de Sarpol-e Zahab, na província ocidental de Kermanshah, a 15 km da fronteira iraquiana.

No Iraque, o tremor de terra causou seis mortos na província de Souleimaniyeh, no Curdistão iraquiano, segundo responsáveis locais. O único hospital do distrito de Darbandikham ficou em ruínas.

O serviço geológico norte-americano (USGS) registou o epicentro do terramoto a cerca de 30 quilómetros a sudoeste da cidade de Halabja, numa zona montanhosa da província iraquiana de Souleimaniyeh, a uma profundidade de 25 quilómetros.

O sismo foi registado pelas 18:18 (hora de Lisboa) e fez-se sentir, para além do Irão, também na Turquia, onde não foram reportados danos ou vítimas, segundo as autoridades.


O sismo mais mortífero em mais de uma década

Em dezembro de 2003, um sismo destruiu a cidade histórica de Bam no Irão, na província de Kerman, no sudeste do país, tendo causado a morte de pelo menos 31 mil pessoas.

O Irão foi atingido em abril de 2013 por dois sismos de magnitude 6,4 e de 7,7, o pior terramoto registado desde 1957 no país. Os dois sismos causaram cerca de 40 mortos no Irão e no Paquistão.

Um terramoto de magnitude 7,4 atingiu em junho de 1990 o Irão, na região próxima do Mar Cáspio, deixando 40 mil mortos, mais de 300 mil feridos e deixou desalojados 500 mil pessoas. O abalo deixou em ruínas, em poucos segundos, uma área de 2.100 quilómetros, que inclui 27 cidades e 1.871 povoações menores, nas províncias de Ghilan e Zandjan.