A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Exxon Mobil na exploração de gás natural na Bacia do Rovuma

Exxon Mobil na exploração de gás natural na Bacia do Rovuma
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A entrada da petrolífera norte-americana Exxon Mobil na exploração de gás natural em Moçambique foi oficializada pela ministra Recursos Minerais e Energia, Letícia Klemens.

A participação da empresa “não é um fim em si”, mas antes um passo que “vai permitir usar a grande competência técnica” e tirar partido da “robustez financeira da Exxon Mobil” no projeto, referiu a ministra, numa cerimónia realizada em Maputo, na terça-feira, que juntou todos os participantes no consórcio da Área 4 da Bacia do Rovuma.

A operação vai movimentar habitantes na província de Cabo Delgado, extremo norte de Moçambique, ao largo da qual estão a nascer os primeiros megaprojetos de gás natural, com início de operação previsto para daqui a cinco anos.

Estado prevê mais de 300 ME em impostos

O Estado moçambicano prevê arrecadar mais de 300 milhões de euros com a tributação de mais-valias da transação.

O negócio concluído foi anunciado em março e altera a composição da Eni East Africa, detida a 28,6% pela chinesa CNPC e a 71,4% pela italiana ENI que entregou metade (37,5%) à Exxon Mobil por 2,8 mil milhões de dólares.

Por sua vez, a Eni East Africa detém 70% do consórcio da Área 4, cabendo o restante em partes iguais à Galp, Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique e a sul-coreana Kogas.

Desta forma, os interesses participativos neste projeto de gás natural passam a ser de 25% para a Eni, 25% para a ExxonMobil, 20% para a chinesa CNPC, enquanto Galp, ENH e Kogas mantêm as quotas de 10% cada.