EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Robinho condenado a 9 anos de prisão por violação

Robinho condenado a 9 anos de prisão por violação
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Futebolista brasileiro nega participação em violação coletiva e vai contestar a sentença.

PUBLICIDADE

O futebolista brasileiro Robinho foi condenado, esta quinta-feira, pela justiça italiana a nove anos de prisão por ter participado na violação de uma jovem numa discoteca de Milão, em 2013, e prometeu tomar medidas legais para contestar a pena.

A juíza Mariolina Panasiti, da IX Secção Penal do Tribunal de Milão, condenou Robinho pela violação de uma mulher albanesa, de 22 anos. Na agressão sexual, ocorrida em 22 de janeiro de 2013, quando o brasileiro representava ao AC Milan, participaram outras cinco pessoas.

A procuradoria tinha pedido uma pena de prisão de 10 anos para o futebolista de 33 anos, que atualmente alinha nos brasileiros do Atlético Mineiro.

Em comunicado, o jogador, que negou ter tido qualquer participação no episódio pelo qual foi julgado, disse que "todas as medidas legais" estão a ser tomadas relativamente "a esta decisão de primeira instância".

Segundo os meios locais, citados pela agência EFE, um amigo de Robinho também foi condenado a nove anos de prisão por participar na violação, enquanto o processo contra as outras quatro pessoas foi suspenso, por não se conhecer a sua identidade ou paradeiro.

Durante o julgamento, a jovem, que deverá receber uma indemnização de 60.000 euros, declarou que conhecia o futebolista, assim como alguns dos seus amigos, e que, naquela noite, esteve com eles e com duas amigas no Sio Café de Milão.

No seu depoimento, revelou que depois de as suas amigas terem deixado o local, o grupo de homens lhe ofereceu bebida até deixá-la inconsciente, anulando assim a sua capacidade de resistir à violação.

(Lusa)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas

Dança criada por jovens nas favelas do Rio é declarada património cultural

Cheias no Brasil deixam mais de 100 mortos e milhares de desalojados