Última hora
This content is not available in your region

Um ano de lágrimas na Chapecoense

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
Chapecoense
Chapecoense
Tamanho do texto Aa Aa

Já se passou um ano desde a trágica noite de vinte e oito de novembro de dois mil e dezasseis, quando o voo 2933 desapareceu do radar e se despenhou já na aproximação a Medellín. A bordo seguia a delegação da Chapecoense, o pequeno clube brasileiro preparava-se para escrever uma página de ouro na sua história ao jogar a sua primeira final continental, frente aos colombianos do Atlético Nacional, mas acabou por viver o momento mais negro.

Dos setenta e sete ocupantes que seguiam no avião, apenas seis conseguiram fintar a morte. Na cidade de Chapecó, nada foi como antes. As lágrimas caíram sem cessar, as homenagens sucederam-se e o troféu de vencedor da Taça Sul-Americana foi graciosamente cedido pelo Atlético Nacional.

Um ano depois, a Chapecoense procura regressar à normalidade e dentro de campo conseguiu o que muitos julgavam impossível: a manutenção no principal escalão do futebol brasileiro