Brasil debate liberalização da posse de armas

Imagem de arquivo para ilustrar debate em curso no Brasil
Imagem de arquivo para ilustrar debate em curso no Brasil Direitos de autor REUTERS/Issei Kato
De  Francisco Marques com Senado Federal do Brasil
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Comissão de Constituição e Justiça do Senado brasileiro aprova projeto-lei para autorizar residentes em zonas rurais a possuir armas de fogo desde que tenham mais de 21 anos

PUBLICIDADE

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado brasileiro aprovou quarta-feira um projeto-lei que visa autorizar os residentes em zonas rurais a adquirirem livremente armas de fogo desde que tenham mais de 21 anos.

A proposta visa alterar o Estatuto do Desarmamento, é da autoria de Wilder Morais (Partido Progressista - Goiás), o relatório foi redigido pelo senador Sérgio Petecão (Partido Social Democrata - Acre) e teve 11 votos a favor, cinco contra e uma abstenção na CCJ.

A aprovação preliminar do projeto pode ainda ser alvo de recurso no plenário do senado, mas se for mantida será enviada para a Câmara dos Deputados antes de receber o vrivo presidencial.

A proposta tem por base "assegurar aos residentes em áreas rurais o direito de adquirir uma arma de fogo de uso permitido para utilização em suas propriedades, as quais, não raro, encontram-se a centenas de quilómetros de um posto de policia, o que coloca inúmeras famílias à mercê do ataque de criminosos ou, até mesmo, de animais selvagens, não assistindo a estas quaisquer meios de defesa de sua vida e de sua propriedade", justificou Wilder Morais.

A arma adquirida ao abrigo desta proposta deve ser mantida em casa e usada apenas na respetiva propriedade. O porte da arma noutros locais no está incluído no projeto-lei.

Outras fontes • Globo, Estadão

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados

Putin rearma exército, enquanto escasseia ajuda humanitária da ONU para a Ucrânia

Grave escassez de munições ameaça posição da Ucrânia na linha da frente