Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Um ano de grandes centenários

Um ano de grandes centenários
Direitos de autor
ASSOCIATED PRESS/ British Movietone
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em 2018 será assinalado o centenário de alguns dos acontecimentos mais marcantes da história recente.

Aprovação do "Representation of the People Act"

Foi em 1918 que a Inglaterra estabeleceu o voto feminino. Cinco anos antes, seis mil mulheres saíram à rua em Londres para exigir o direito de votar, após a morte trágica de Emily Wilding Davison, sufragista e militante da União Social e Política das Mulheres. Emily Davison fora atropelada pelo cavalo do rei George V, montado pelo jóquei, Herbert "Diamond" Jones, no Hipódromo de Epsom Downs, durante o tradicional "Derby Day".

O movimento das sufragistas tinha já conquistado esse direito noutros países: o primeiro foi a Nova Zelândia, em 1893, mas foi a participação das mulheres nos esforços da primeira guerra mundial que fez avançar a legislação britânica.

A gripe espanhola e a Grande Guerra

A Primeira Guerra Mundial durou até 11 de novembro de 1918, matando cerca de 17 milhões de pessoas.

O conflito ia no seu quarto ano, quando uma pandemia de gripe veio roubar-lhe a liderança quanto ao número de vítimas. A chamada gripe espanhola causou também mais mortes do que a Peste Negra, entre 50 e 100 milhões de pessoas em todo o mundo.

Ao contrário do que sugere a designação que recebeu, a doença foi observada pela primeira vez nos Estados Unidos, em 4 de Março de 1918 (Fort Riley, Kansas).

Foi a gripe espanhola que matou em fevereiro de 1918 o pintor Gustav Klimt, o simbolista austríaco que foi um dos fundadores do movimento da Secessão de Viena. Além de Klimt, morreram com a gripe espanhola o poeta francês Guillaume Apollinaire, o pintor austríaco Egon Schiele, o sociólogo e economista alemão Max Weber e o poeta e dramaturgo francês Edmond Rostand.

A maioria das obras de Klimt estão em exposição na Galeria da Secessão de Viena.