Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A mestria da Alta Relojoaria no Salão Internacional de Genebra

A mestria da Alta Relojoaria no Salão Internacional de Genebra
Tamanho do texto Aa Aa

“Que cada homem seja mestre do seu tempo”, escreveu William Shakespeare em MacBeth.

O Salão Internacional de Alta Relojoaria de Genebra (SIARG), na Suíça, é um daqueles lugares onde o tempo, ou mais precisamente os instrumentos que medem o tempo, são mestres.

35 dos mais prestigiados relojoeiros mundiais – 18 marcas históricas: A. Lange & Söhne, Audemars Piguet, Baume & Mercier, Cartier, Girard-Perregaux, Greubel Forsey, Iwc, Jaeger-LeCoultre, Montblanc, Officine Panerai, Parmigiani Fleurier, Piaget, Richard Mille, Roger Dubuis, Ulysse Nardin, Vacheron Constantin, Van Cleef & Arpels – e produtores independentes participaram na 28ª edição do evento, um dos principais pontos de encontro, no mundo, de profissionais do segmento relojoeiro mundo.

Pelo segundo ano consecutivo, o último dia da mostra foi aberto, também, ao público

“Desde há dois anos que estávamos num período de consolidação, desaceleração. 2017 encerra com um aumento de 3-3,5% na relojoaria suíça. 2018 deve seguir a mesma tendência”, diz confiante a diretora do SIARG, Fabienne Lupo.

Em destaque, este ano, as celebrações dos 150 anos da IWC Schaffhausen.

Para marcar a data, a marca suíça/norte-americana, propôs uma cenografia onde se inclui uma espécie de máquina do tempo e um relojoeiro real.

O diretor executivo da IWC, Christoph Grainger-Herr, conta: “A nossa história começou com um relojoeiro e engenheiro norte-americano a viajar de Boston para a Suíça para combinar a manufatura suíça com a tecnologia industrial americana. aqui, a peça central é uma máquina do tempo que, de facto, liga as diferentes eras e histórias da IWC e coloca a família do relojoeiro centro disso.”

A lista de expositores foi enriquecida, este ano, por La Montre Hermès, que se juntou pela primeira vez ao Salão depois de abandonado a Baselworld, uma popular feira mundial de relojoaria, em Basileia.

“Para nós, juntarmo-nos ao círculo fechado Salão Internacional de Alta Relojoaria é um ponto culminante e um reconhecimento de tudo o que a Hermès tem feito há 15 anos. Construir conhecimento, criar uma gama, integrar-se verticalmente e ter construído, em 15 anos, um verdadeiro polo de artesãos na Suíça, que emprega 300 pessoas”, conta o diretor executivo da La Montre Hermès, Laurent Dordet.

Os últimos anos não foram muito bons para o setor da relojoaria de luxo.

A ideia de que a indústria de alta relojoaria estaria a ser prejudicada pelos relógios inteligentes foi afastada para dar espaço à convicção de que os rivais eletrónicos não são a maior ameaça.

“A funcionalidade do relógio não é mais o primeiro objetivo. Há, obviamente, muitas maneiras de dar as horas, de ver as horas, e não precisamos necessariamente de usar um relógio para isso. A relojoaria mais tradicional pode trazer o domínio do prazer, da emoção de algo que vai além da função”, diz o diretor executivo da Van Cleef & Arpels, Nicolas Bos.

“Podemos ter um relógio inteligente durante o dia, por razões funcionais, e quando queremos sentir-nos elegantes, ter um relacionamento íntimo com o objeto, sentir-nos bem, é diferente. Acredito no conforto e na elegância que um relógio tradicional nos oferece. Então, creio que há espaço para ambos e não estou particularmente preocupado”, afirma Laurent Dordet, da La Montre Hermès.

A diferença é, então, entre um objeto industrial e um objeto quase artesanal. Por detrás de cada relógio mecânico estão anos de estudos, criatividade e trabalho meticuloso. Tudo isso vem da tradição, do conhecimento e das habilidades humanas.

“Na relojoaria e na Alta Relojoaria, em particular, existem mais de quarenta profissões, muitas delas são artesanais. Muitas coisas são feitas à mão, com habilidades ancestrais… É claro que se foram modernizando graças à tecnologia, inovação e aos novos materiais. É uma indústria onde temos, realmente, essa dualidade: tradição e inovação”, afirma a diretora do SIARG.

Esses artefactos e relógios demonstram que, quando se trata de elegância e criatividade, a Alta Relojoaria é, ainda, a mestra do tempo.