EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Abbas pede aos europeus que reconheçam o Estado da Palestina

Abbas pede aos europeus que reconheçam o Estado da Palestina
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O líder da Autoridade Palestiniana recebeu o apoio dos chefes da diplomacia da União Europeia no sentido de manter a solução dos dois Estados e da partilha de Jerusalém, mas Abbas quer mais empenho e ações da União.

PUBLICIDADE

Mahmoud Abbas pediu ao conjunto da União Europeia que reconheça a Palestina como um Estado e que assuma a liderança no processo de paz no Médio Oriente, no final da sua visita, segunda-feira, a Bruxelas.

Depois de se ter reunido com os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 28 Estados-membros, o Presidente da Autoridade Palestiniana disse que "temos muito respeito pela posição da União Europeia, bloco que consideramos como um verdadeiro parceiro e amigo".

"Por isso, pedimos aos seus Estados-membros para que reconheçam rapidamente a Palestina como um Estado. Da nossa parte não há contradição entre dar esse reconhecimento e retomar as negociações para a paz", afirmou Abbas, na conferência de imprensa ao lado da chefe da diplomacia comunitária, Federica Mogherini.

Menos de uma dezena de Estados-membros reconhecem a Palestina como Estado, e Portugal ainda não é um deles.

Bélgica, Eslovénia e Irlanda estão a analisar o caso.

"Continuamos a promover a solução dos dois Estados e a opor-nos à construção de colonatos, que consideramos ilegais por violarem a lei internacional", disse Federica Mogherini.

Os esforços palestinianos junto da União Europeia redobraram de intensidade desde que o Presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, em dezembro passado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alerta sobre plano de Trump no Médio Oriente

Turquia e Autoridade Palestiniana criticam promessas de Netanyahu

Príncipe William visita Médio Oriente