Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Turquia e Autoridade Palestiniana criticam promessas de Netanyahu

Turquia e Autoridade Palestiniana criticam promessas de Netanyahu
Tamanho do texto Aa Aa

A Turquia e a Autoridade Palestiniana condenaram a promessa do Primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, no sentido de alargar a soberania israelita sobre a Cisjordânia.

Funcionários palestinianos criticaram igualmente as declarações do primeiro-ministro israelita reafirmando a intenção de remover os colunatos ilegais.

As declarações de Netanyahu têm lugar quando faltam dois dias para as legislativas de terça-feira.
Há quem diga que é mais do mesmo.

"Esta declaração ocorre durante as campanhas eleitorais. É uma declaração política e de determinação. Ele vai anexar os colunatos, todos os colunatos, ele vai manter o controlo sobre o vale do Jordão e anexá-lo e depois vai colocar os palestininaos no que chama de "centros de população" mas debaixo de segurança isarelita e vai ainda manter a anexação ilegal de Jerusalém. Isto é o fim da possibilidade de paz", adianta Hanan Ashrawi, destacada funcionária palestiniana e membro da OLP.

Netanyahu terá que derrotar o partido Azul e Branco de Benny Gantz para se tornar no primeiro-ministro com mais tempo no cargo.

Numa tentativa de cativar eleitores de direita, a controversa campanha de Benny Gantz promete matar palestinianos e devolver Gaza à Idade da Pedra, uma referência aos ataques aéreos lançados em 2014.

O reconhecimento formal pelo presidente norte-americano do controlo israelita sobre a totalidade de Jerusalém e os Montes Golan, conquistados à Síria em 1967, deram um novo fôlego ao líder israelita.

Entre as medidas punitivas de Trump contra os palestinianos conta-se o corte de apoios financeiros bilaterais assim como apoios da ONU para refugiados palestinianos.