Filme russo recupera patriotismo anti-americano

Filme russo recupera patriotismo anti-americano
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Three Seconds" é o filme sensação da Rússia há duas semanas. Já bateu todos os recordes nacionais de bilheteira e explora a polémica vitória da equipa russa de basquetebol sobre os Estados Unidos nos Olímpicos de Munique, em 1972.

PUBLICIDADE

O filme sensação do momento na Rússia passa para a tela, logo para o público, o sentimento galvanizador de se ser um herói no coletivo.

"Three Seconds" explora a vitória russa nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972. Uma vitória em que a arbitragem atrasou duas vezes o relógio do jogo e estendeu o tempo para uma magra vitória russa sobre a até então invencível equipa americana. Os russos arrecadaram o ouro e fizeram um filme quarenta e seis anos depois, os americanos nem a medalha de prata aceitaram então.

Depois de arrecadar mais de 38.88 milhões de dólares na bilheteira em 3 semanas, o filme, financiado pelo Estado, tornou-se o maior sucesso doméstico, com mais de 9 milhões de pessoas a passar pelas salas de cinema russas para o ver.

O realizador Anton Megerdichev não acredita que seja o patriotismo o grande íman de uma afluência de público nunca antes registada: 

"Claro, talvez exista um elemento de nostalgia pela União Soviética e uma espécie de antiga grandeza, mas se fosse só isto no filme, provavelmente o público teria corrido imediatamente para o cinema no primeiro fim-de-semana e isto não aconteceu."

Talvez um filme sobre basquetebol, numa altura em que 68% dos russos indica Washington como inimigo número um, segundo uma sondagem recente (o valor cifrava-se em menos de 30% em 1999, antes de Putin) , não tenha entusiasmado logo. Já uma vitória patriota sobre os americanos no seu desporto-rei, faz esquecer arbitragens dúbias. 

Kirill Shulik, ativista da oposição e blogger desportivo vê o filme como uma necessária transposição da latência de um antagonismo face aos americanos e muito conveniente antes das eleições na propulsão do nacionalismo: 

"Não tivemos nenhuma guerra com os americanos, não lutámos. Se o tivéssemos feito, teríamos feito os típicos filmes de guerra. Assim, têm de se virar para o desporto, onde houve de facto um confronto entre os dois países."

O filme sai da produtora de Nikita Mikhalkov, conhecido pelas posições nacionalistas. Edeshko, o jogador russo que marcou o cesto da vitória, falou na altura de intervenção divina.

Agora com 72 anos, a divindade torna-se-lhe mais terrena ao afirmar que quando a União Soviética, uma economia planeada, planeava, ninguém conseguia saltar mais alto.  

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Oppenheimer" lidera corrida aos Óscares com 13 nomeações

Vin Diesel acusado de agressão sexual por antiga assistente

Prémios do Cinema Europeu: A consagração de "Anatomia de uma queda"