Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Romeu e Julieta de Gounod no Liceu de Barcelona

Romeu e Julieta de Gounod no Liceu de Barcelona
Tamanho do texto Aa Aa

É uma das mais conhecidas história de todos os tempos. Romeu e Julieta, do compositor francês Charles Gounod, uma adaptação do conto de William Shakespeare.

O compositor francês nasceu há dois séculos e a data é assinalada no Teatre del Liceu, em Barcelona, com uma performance que conta com o tenor albanês, Saimir Pirgu, e com a soprano russa, Aida Garifullina, nos papéis principais. Dão vida ao casal que vive o trágico amor.

Aida Garifullina disse que "muitas jovens querem ser Julieta porque vêm uma imagem feminina e sensível. Ela é frágil." A soprano explicou à Euronews que Romeu e Julieta fala tanto de "tragédia" como de "primeiro amor." E da forma como Julieta vive esse primeiro amor, entre inocência e entrada na vida adulta:

"É uma alegoria que mostra como ela quer viver a vida adulta, ser livre e fazer o que lhe apetecer, ser feliz," explicou Garifullina à Euronews.

"É tão intenso e de partir o coração. Ela é uma mulher o suficientemente adulta pra entender que a vida não é um mar de rosas, mas que é complicada e difícil," continuou.

Uma ópera que chega a ser difícil de cantar

Saimir Pirgu falou-nos também na importância do elemento 'inocência' em toda a peça. "Há algo muito naïf. É muito bonita de se ouvir."

Uma ópera que, para o tenor albanês, chega a ser difícil de cantar, especialmente na última cena, ainda que pelas melhores razões:

"Ás vezes, quando canto, sinto uma emoção tão profunda com aquela cena, que é difícil cantar. Especialmente quando falo do último baiser o último beijo".

"É uma cena que não existe no conto de Shakespeare, mas que existe na peça de Gounod e que deu a esta ópera uma intensidade forte," explica à Euronews.

Uma musicalidade idiomática

Stephen Lawless é o diretor de palco. Contou à Euronews que a peça do compositor francês fica marcada por "toda uma musicalidade idiomática, porque Gounod usa vários registos, do mais sério à opéra comique, passando quase pla chanson."

"Gounod também escreve com o sentido de algo muito - para mim plo menos - muito francês, uma ironia elegante."

Lawless quis ser fiél ao tempo de produção e manteve história da ópera no tempo do seu criador:

"É música do século XIX. Por isso, contamos uma história que se passa no século XIX, mas procurámos um contexto especifico: a Guerra Civil dos Estados Unidos."

Romeu e Julieta estará no Teatre del Liceu de Barcelona nos dias 24 e 27 de fevereiro e 2 e 4 de março.