Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O paralelo com o caso Litvinenko

O paralelo com o caso Litvinenko
Direitos de autor
REUTERS/Peter Nicholls
Tamanho do texto Aa Aa

O Reino Unido reforçou a investigação à tentativa de homicídio de Sergei Skripal e acredita que o antigo espião foi envenenado em casa.

Sobre este caso, a Euronews falou com Mario Scaramella, especialista em serviços secretos e próximo de Alexander Litvinenko, assassinado com polónio radiativo:

"O caso Litvinenko, que foi uma situação muito complicada, é como um parâmetro porque o uso de uma mistura de substâncias, entre elas o polónio 210 é muito raro. É preciso ter acesso a uma central nuclear para produzir essa mistura e, obviamente, o uso deste tipo de armas é muito complicado e muito restrito, tendo em conta o controlo deste material. Por esta razão, foi fácil identificar a responsabilidade do Estado Russo. Com o sarin e com o gás nervoso situação é diferente. Este tipo de veneno não é tão difícil de encontrar.

Claro que o que é especial é o uso deste tipo de armas: tecnicamente, estamos a falar do uso de armas químicas de destruição em massa. O que significa que, alguém em nome da Rússia está a fazer um ataque terrorista, em solo britânico, com armas de destruição em massa. Esta é uma ameaça tão forte que, mais uma vez, só a um nível superior é possível tomar este tipo de decisões.

Assim: temos o mesmo nível político mas diferenças a nível técnico."