Chefe do exército britânico avisa cidadãos para se prepararem para guerra maciça com a Rússia

Um soldado britânico senta-se num AS90 enquanto participa num exercício militar com soldados ucranianos num campo de treino militar em Inglaterra.
Um soldado britânico senta-se num AS90 enquanto participa num exercício militar com soldados ucranianos num campo de treino militar em Inglaterra. Direitos de autor AP Photo/Kin Cheung
De  Andrew Naughtie
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O general de topo compara a situação na Ucrânia às crises de 1914 e 1937 e insiste que só os "exércitos de cidadãos" serão capazes de derrotar o ataque que se aproxima ao modo de vida do Ocidente.

PUBLICIDADE

O chefe do exército britânico avisou os cidadãos do Reino Unido para estarem preparados para uma guerra à escala dos grandes conflitos do século XX - e que eles próprios poderão ter de se mobilizar.

Falando na exposição internacional de veículos blindados em Londres, o general Patrick Sanders disse que a invasão russa da Ucrânia é um sinal do que está para vir, alertando que as lições de guerras anteriores devem ser lembradas antes que seja tarde demais.

"Os nossos antecessores não conseguiram perceber as implicações da chamada Crise de julho de 1914 e tropeçaram na mais terrível das guerras", disse ele. "Não nos podemos dar ao luxo de cometer o mesmo erro hoje. A Ucrânia é realmente importante".

Crucialmente, o general Sanders insistiu que a escala potencial do conflito nos anos vindouros não deve ser subestimada.

"Esta guerra não é apenas sobre o solo negro do Donbas, nem sobre o restabelecimento de um império russo, é sobre derrotar o nosso sistema e modo de vida política, psicológica e simbolicamente. A forma como reagirmos, enquanto geração anterior à guerra, irá repercutir-se na História. A coragem ucraniana está a ganhar tempo, por agora".

O general também apelou a uma quase duplicação da dimensão do exército britânico. As forças armadas britânicas em geral planeiam inverter uma crise de recrutamento a longo prazo que reduziu os seus efetivos, mesmo quando as forças britânicas participam em várias missões no estrangeiro.

No entanto, o Presidente afirmou também que, embora a mobilização tradicional seja importante, os cidadãos britânicos devem estar preparados - se não para o recrutamento obrigatório, para um nível de mobilização cívica que não se via na Europa Ocidental desde 1945.

Em resposta ao seu discurso, o governo insistiu que a convocação de todos os militares não está em cima da mesa. O porta-voz do primeiro-ministro Rishi Sunak, Max Blain, afirmou que o governo "não tem qualquer intenção" de introduzir o serviço militar obrigatório.

"O exército britânico tem uma tradição orgulhosa de ser uma força voluntária. Não há planos para mudar isso", afirmou. Acrescentou ainda que "envolver-se em guerras hipotéticas" "não ajuda".

À beira do desastre

As palavras de Sanders seguem-se a meses de avisos sinistros por parte de outros membros importantes da NATO, particularmente na Europa continental.

O ministro da defesa alemão, Boris Pistorius, fez recentemente apelos radicais à preparação para a guerra, o que reorientaria drasticamente as forças armadas alemãs, depois de quase oito décadas passadas num modo defensivo multilateralista.

Documentos recentemente divulgados pelo jornal alemão Bild revelaram que Berlim está a fazer planos de contingência para um ataque maciço da Rússia à Europa Ocidental, especificamente aos Estados Bálticos.

O plano, descrito como um "cenário de exercício", prevê que a Rússia lance uma campanha de guerra híbrida contra a Estónia, a Letónia e a Lituânia, em julho deste ano, utilizando falsas alegações de discriminação contra os falantes de russo como pretexto para a concentração de tropas nas suas fronteiras ocidentais com os países da UE e na Bielorrússia.

De acordo com as previsões deste cenário, a própria Aliança Atlântica enviaria 300 mil soldados para a Europa Oriental, mas só no início de 2025.

A guerra ucraniana encontra-se atualmente numa espécie de impasse. Com a linha da frente relativamente estática e as forças a aconchegarem-se em condições gélidas, os ataques de mísseis de longo alcance e de drones ganharam destaque, com um número crescente de ataques em território russo.

Kiev e os seus aliados estão preocupados com o facto de o fornecimento de armas e munições estrangeiras às forças armadas ucranianas estar a estagnar, uma vez que os republicanos no Congresso dos EUA estão a bloquear os fundos de que o Pentágono necessita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia quer reunião da ONU sobre avião abatido

Rússia tenta manipular países frustrados com a UE, alerta Bujar Osmani

Reino Unido anuncia pacote de ajuda militar e pacto de segurança com a Ucrânia