Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

NATO expulsa diplomatas e avisa Rússia para a união da organização

NATO expulsa diplomatas e avisa Rússia para a união da organização
Direitos de autor
REUTERS/Yves Herman
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A NATO juntou-se a uma já longa lista de países e anunciou a expulsão de sete diplomatas russos e a rejeição de credenciais para outros três representantes.

A Aliança Atlântica manifestou assim o seu apoio ao Reino Unido na sequência do caso do envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal, em Salisbury. Pelo menos 26 países já expulsaram 143 diplomatas russos e o secretário geral da NATO, Jens Stoltenberg, assumiu que esta medida é um aviso a Moscovo.

"Esta é uma mensagem muito clara para a Rússia. As ações têm consequências e penso que a Rússia subestimou a unidade dos aliados da NATO", afirmou Jens Stoltenberg.

Entre os mais de cem diplomatas expulsos, o maior contingente veio dos Estados Unidos, onde 60 oficiais foram intimados a deixar o país.

A Casa Branca já se pronunciou sobre a situação e garantiu estar disponível para ter uma relação construtiva com a Rússia. Porém, Moscovo tem de perceber primeiro que as suas ações de desestabilização têm custos.

A posição norte-americana não passou ao lado do governo russo, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, a acusar os Estados Unidos de fazer "pressões colossais" sobre os aliados da NATO. De resto, a Rússia continua a negar qualquer envolvimento no caso Skripal.

A 14 de março, o Reino Unido anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos do território britânico e o congelamento das relações bilaterais com a Rússia, em resposta ao envenenamento do ex-espião russo com um gás neurotóxico no dia 04 de março na cidade inglesa de Salisbury.

Moscovo respondeu expulsando 23 diplomatas britânicos e suspendendo a atividade do British Council na Rússia.

O caso Skripal provocou uma grave crise diplomática, que se estendeu a outros países aliados do Reino Unido, como os Estados Unidos e vários Estados-membros da União Europeia, entre os quais a Alemanha, a França e a Polónia, que decidiram também expulsar diplomatas russos.