Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Qual o futuro das viúvas dos jihadistas mortos na Síria?

 Qual o futuro das viúvas dos jihadistas mortos na Síria?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O que fazer com as viúvas dos jihadistas mortos na Síria?

O repórter da Euronews, Hans Brelie, foi até Lepenica, uma aldeia no norte da Bósnia. Tem um encontro marcado com Alema Dolamic. A sua irmã era casada com um combatente jihadista (Nermin Jahic, vulgo Abu Zekeri) agora morto.

A irmã de Alema está "retida" na Síria, com os três filhos, na zona sob administração curda.

A irmã de Alema está com outras 50 viúvas jihadistas e os seus 120 filhos num local não revelado. As mulheres são da Rússia, Alemanha, Áustria, Holanda e de outros países.

O pesadelo começou em 2014, quando Alema recebeu uma mensagem da Síria: "antes de mais nada, fiquei completamente chocada e surpreendida. A minha irmã nunca tinha falada da Síria, nem da intenção de ir para lá. Era o centro da guerra. Acho que a minha irmã foi fortemente influenciada pelo marido dela. Os pais bósnios do seu marido trabalhavam na Áustria e ele nasceu lá, ele era um residente austríaco. A minha irmã conheceu-o no Facebook. Casaram-se em janeiro de 2014 e em outubro já estavam na Síria," revela Alema.

Na Síria, a irmã de Alema deu à luz dois filhos. Entretanto, estão em andamento negociações entre a Cruz Vermelha Internacional e os governos dos Estados de origem. Procura-se uma forma de repatriar as viúvas.

Insight: Alema wants her sister back

Alema manteve contacto com a irmã através das redes sociais e mostra-nos algumas fotos que recebeu da Síria.

"O marido dela morreu em fevereiro de 2017, na Síria. É uma regra do grupo Estado Islâmico que toda a mulher que perdeu o seu marido seja colocada numa casa especial chamada" moudafa ". Depois, as viúvas dos combatentes jihadistas são obrigadas a casarem-se com outro homem. Elas são obrigadas a casar, não têm o direito de recusar. Felizmente isso não aconteceu com a minha irmã, ela encontrou uma saída : em setembro de 2017, recebi uma mensagem urgente da minha irmã dizendo que tinha conhecido um homem que estava disposto a ajudar na fuga. Mas para isso precisava de dinheiro. Enviei-lhe dinheiro e agora ela já não está na zona controlada pelo grupo Estado Islâmico. Ela diz que está profundamente arrependida da decisão que tomou, de ir para a Síria. O que ela quer é regressar a casa e recomeçar uma vida normal," declara Alema.

Alema, só quer ter a irmã de volta a casa.