Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ópera rara de Verdi na Met Opera com Plácido Domingo e Sonya Yoncheva

Ópera rara de Verdi na Met Opera com Plácido Domingo e Sonya Yoncheva
Tamanho do texto Aa Aa

É uma oportunidade rara assistir à encenação da ópera "Luisa Miller", de Giuseppe Verdi. A Metropolitan Opera, em Nova Iorque, decidiu apresentá-la ao público esta temporada.

A soprano búlgara Sonya Yoncheva e o tenor polaco Piotr Beczała desempenham os papéis principais. O espetáculo conta ainda com o tenor Plácido Domingo, desta vez num papel para barítono.

"Desde que comecei a cantar ópera, como tenor, sempre admirei este compositor pela música inacreditável que nos deu a cantar. Ao ouvir a música desta ópera, eu disse: 'Meu Deus, ele também trata bem os barítonos!´'. Agrada-me muito o que ele escreveu para barítono", afirmou Plácido Domingo, em entrevista à euronews.

A cantora Sonya Yoncheva venceu o concurso Operalia, em 2010, uma competição mundial de Ópera lançada por Plácido Domingo, em 1993. Desde então, a soprano búlgara tem conquistado o público graças a grandes papéis, nomeadamente, o papel principal da ópera "Tosca" de Giacomo Puccini.

"Eu tinha acabado de desempenhar um grande papel de diva na ópera 'Tosca' e, por isso, a personagem Luisa, nesta ópera, pareceu-me demasiado inocente. Mas, pouco a pouco, comecei a gostar muito dela e adaptar a minha voz", admitiu a soprano búlgara.

A ópera "Luisa Miller", estreada em 1849, marca uma transição na carreira de Verdi, entre os anos de juventude e a composição dos grandes clássicos do compositor italiano como "Rigoletto" e "La Traviata".

"É uma ópera muito bem concebida do ponto de vista psicológico e dramático. O Verdi era um verdadeiro homem do teatro. Não se limitava a compor. A música estava ao serviço do teatro", afirmou o tenor polaco Piotr Beczala.

O libreto de “Luisa Miller”, escrito por Salvatore Cammarano, com base numa peça de Friedrich von Schiller, gira em torno dos laços entre um pai e uma filha dilacerada por um amor impossível.

"Como habitualmente, trata-se da história de um triângulo amoroso: uma mulher, o amante e o pai, que é uma figura protetora. Na maioria dos casos, eles têm um laço emocional forte", sublinhou o tenor polaco.

"Infelizmente, na sua própria vida, bastante cedo, o Verdi perdeu a mulher e os dois filhos", recordou Plácido Domingo. "Uma das músicas mais emotivas tem a ver com a relação entre filha e pai. Acontece nas óperas 'Rigoletto', em Simon Boccanegra, e aqui em 'Luisa Miller'", acrescentou o tenor espanhol.

"Ela aceita completamente a morte como um novo patamar do amor. Ela convenceu-se a si própria e convenceu o amante, Rodolfo, de que a morte é a única forma de ficarem juntos", comentou a cantora búlgara.

"No final de cada ópera, o Verdi investe toda a sua inspiração, criando melodias de grande beleza. É impossível não chorar quando se canta Verdi", confessou Plácido Domingo.